Pular para o conteúdo principal

Meu Top 10 de Campeões de League of Legends – Parte 2





6. LEBLANC, A FARSANTE

“A rosa negra irá desabrochar novamente”.

skin IG LeBlanc

LeBlanc é a matrona da Rosa Negra, uma ordem que há séculos opera pelas sombras de Noxus. Ninguém realmente a conhece, mas muitos conhecem lendas sobre a pálida feiticeira que há séculos auxiliou as lutas das tribos bárbaras contra Mordekaiser, de cujo círculo fazia parte antes de traí-lo.
LeBlanc é uma ilusionista. Apesar de sua aparência jovem e bela, ela tem centenas de anos, sendo um dos humanos mais velhos de Runeterra. Com a rosa negra, ela envenena a mente dos nobres Noxianos com promessas de revolução e vida eterna e controla Noxus pelas sombras. Darkwill, o último rei de Noxus, era seu fiel servo até que Swain tomou seu lugar. Agora, LeBlanc planeja sua queda pelas sombras.
Ninguém sabe ao certo quem LeBlanc é e o que quer, por que deseja o controle sobre Noxus e quais são seus ideais, mas ela é um dos personagens mais influentes de League of Legends e, por isso, merece um lugar de destaque entre suas lendas.


7. KAI’SA, FILHA DO VAZIO
“Eu voltei por aqueles que não puderam”.

skin IG Kai'Sa

            Kai’Sa era uma jovem Shurimane que vivia entre as tribos do deserto, sonhando com seu lugar no mundo. O deserto é um lugar perigoso, que possui muitas lendas sobre o Vazio, um mundo faminto e escuro que luta para consumir Runeterra. Kai’Sa não acreditava nessas lendas, mas, em seu décimo aniversário, foi forçada a acreditar, ao ver que os estranhos que vagavam pelo deserto fazendo oferendas despertaram o Vazio, que consumiu sua aldeia e todos os seus moradores.
            No escuro, sozinha e entre monstros, Kai’Sa pôde ouvir os gritos de seus conhecidos, buscando uns pelos outros, até que não ouviu mais nada. Ela estava sozinha e apavorada na escuridão do Vazio, até que uma criatura a atacou. Aterrorizada, ela enfiou uma faca no coração da criatura, mas sua pele sobrenatural grudou-se no braço de Kai’Sa, fundindo-se a ela como uma armadura permanente.
            Essa segunda pele continuou a crescer no corpo de Kai’Sa com o passar dos anos, tornando-se sua aliada na luta contra os monstros do Vazio. Mesmo tendo escapado desse lugar, Kai’Sa continua lutando para impedir que o Vazio consuma o mundo e que suas criaturas se libertem. Temida e solitária, ela protege Runeterra contra terrores inimagináveis.


8. AURELION SOL, O FORJADOR DE ESTRELAS
“Temam. Adorem. Maravilhem-se. Todas são respostas apropriadas”.



Aurelion Sol é um dragão celestial de poder imensurável. Ele é mais antigo que os mundos, sendo tido como seu criador e criador das estrelas. Sozinho no universo, seu trabalho nunca acaba. Ele sempre criará estrelas e lendas, de que homens se apropriam e tornam-se egocêntricos pela criação de seu trabalho.
Entre essas lendas egocêntricas, Aurelion foi especialmente atraído pelos Targonianos e decidiu agraciá-los com sua presença, mostrando quem criou o universo, ensinando e aprendendo com eles, mas logo se entediou e partiu com um presente dos Targonianos.
Porém, esse presente o fazia sentir-se preso, e logo Aurelion percebeu que foi enganado. Ele virara um prisioneiro dos Targonianos, sendo obrigado a lutar suas guerras e, para cada desobediência, uma de suas estrelas morria.
Enganado e subjugado, Aurelion virou um escravo dos Targonianos, lutando por eles sem poder se libertar. Mas, com o passar dos anos, ele sentiu essa magia enfraquecendo e, por isso, retornou a Runeterra, esperando ansiosamente pelo momento de sua total liberdade.


9. IRELIA, A DANÇARINA DAS LÂMINAS
“Houve um tempo em que eu dançava sozinha... hoje, eu danço pelas primeiras terras”.

skin Irelia espada divina

Xan Irelia nasceu em Ionia e, desde cedo, mostrou grande dom para danças. Ela amava as danças que sua avó a ensinava e ainda cedo, foi mandada ao Placídio de Navori para estudar com renomados dançarinos. Porém, Irelia já ouvia boatos sobre a ocupação noxiana e as guerras que chegariam a Ionia.
Ao voltar para casa, Irelia descobriu que seu lar havia sido ocupado por guerreiros noxianos e que sua família, em uma tentativa de proteger seu legado, foi morta e enterrada em covas sem identificação. Ao tentar salvar o brasão de sua família, a única coisa que restara, Irelia foi pega pelos soldados noxianos, que destruíram o brasão. Foi então que Irelia sentiu o pulsar dos fragmentos do brasão se tornarem lâminas e, com sua dança, usou-os para matar dois soldados e fugir. Irelia se tornara uma fugitiva Ioniana que lutaria contra a ocupação de Noxus. Sozinha e sem família, ela descobriu que as danças que aprendera eram mais do que passos e a prepararam para o futuro de líder da resistência que ela seria forçada a aceitar.
Irelia liderou Ionia na batalha da Grande resistência de Navori, onde decepou o braço do general noxiano Swain. Ela será a líder que protege as primeiras terras da invasão inimiga até o dia em que, por fim, poderá dançar sozinha novamente.

10. MALZAHAR, O PROFETA DO VAZIO
“Curve-se ao Vazio... ou seja consumido por ele”.

skin Malzahar hextec

Desde cedo, Malzahar mostrava uma forte inclinação à clarividência. Isso o salvou da miséria e fome quando perdeu seus pais e passou a usar seus dons de vidente nas ruas de Amakra por dinheiro ou comida.
Quanto mais as previsões de Malzahar se mostravam certas, mais fama ele ganhava, até se tornar um homem de posses consideráveis. Apesar disso, Malzahar era incapaz de ver o próprio destino e começou a perceber que suas visões não beneficiavam ninguém, que as pessoas que o buscavam a fim de melhorar suas vidas eram as próprias causadoras de seus sofrimentos e dos sofrimentos alheios. Por mais que acertasse em suas visões e e seus conselhos, Malzahar não podia quebrar o ciclo de dor que as pessoas infligiam umas às outras.
Cansado de tudo o que não podia mudar e do vazio que os bens materiais traziam, Malzahar largou tudo e virou um nômade. Ele andou incansavelmente, chegando ao deserto de Shurima e ao que, um dia, fora a cidade de Icathia.
Em Icathia, Malzahar pôde ficar sozinho com seus pensamentos. Também foi lá que avistou um grande abismo que teria consumido qualquer um, mas não ele. Malzahar fez contato com o Vazio e, de alguma forma, virou seu emissário. Ele não era mais um homem, mas sim algo maior, o profeta que conduziria o mundo ao Oblivio e, colocando um fim a tudo, salvariam todas as pessoas, crentes ou não, de seu eterno ciclo de sofrimento.
Malzahar não era mais apenas um vidente, mas o profeta que converteria pessoas de diversos lugares até se tornar um mito. Mal sabem elas que ele as conduzirá para o fim.

Espero que tenham gostado do meu top 10 campeões do lol! É bem difícil escolher apenas 10. O league tem uma história incrível em questão de mitologia, regiões, guerras e personalidades. Sempre que você jogar, será capaz de se identificar com algum personagem e isso é incrível e, com certeza, é o que o diferencia de muitos outros MOBAs. Até a próxima!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …