Pular para o conteúdo principal

Rindo à toa – humor sem limites - A comédia após a ditadura no Brasil


Após abordar o trabalho dos humoristas durante a ditadura militar em “Tá Rindo de quê?- Humor e ditadura”, os diretores Cláudio Manoel, Álvaro Campos e Alê Braga voltam para abordar novamente o ponto de vista dos humoristas, mas dessa vez para falar do humor pós ditadura e o nascimento do que é considerado “politicamente incorreto” em Rindo à toa - humor sem limites.

Resultado de imagem para rindo a toa humor sem limites

O filme já abre com os grandes nomes do humor falando sobre o fim da ditadura e de como eles vão se adaptar após o fim da censura extrema que impediu muitos de trabalhar, e mostrando também o que estava por vir, já que agora eles tinham novamente liberdade de falar e criticar sem que sofressem severamente por isso.

Embora esse tema que os diretores escolheram para iniciar esse debate seja interessante, acaba sendo colocado em segundo plano, dando importância para as historias de origens de formações de grupos humorísticos, de programas de TV e revistas do gênero, e raramente esses comentários falam da contribuição dessas mídias para a criação de uma nova abordagem para renovar a comédia brasileira.

Resultado de imagem para rindo a toa humor sem limites

A montagem dessa sequência também dá mais importância para as cenas de origens, dando mais tempo em tela para que esses comediantes falem em detalhes sobre o que os incentivaram a entrar para o humor e o que eles pensavam antes deles criarem o que eles fizeram, deixando pouco espaço para as cenas em que se comenta algo relevante ao tema principal do filme. No entanto, mesmo tendo pequenas cenas rápidas, esses comentários são cheios de conteúdos de como funciona o humor que eles estabeleceram, e de criações de regras sobre não seguir regras, falando também dos atos e das consequências de suas escolhas de ultrapassar o limite do que é correto a se dizer.

Resultado de imagem para rindo a toa humor sem limites miguel


A direção acerta quando eles começam a falar da crítica social dentro do humor, e de como isso é uma ferramenta universal para se abordar as questões sociais do país, como política, de como classes sociais mais altas enxergam classes menos favorecidas, da mulher bonita, sensual e burra, contando não só o trabalho de criticar esses temas, mas também de falar da repercussão junto ao público,  e de como dividiu opiniões, por um lado das pessoas que adoraram e se identificam com tal personagem ou situação, e de outro das pessoas que não entenderam a piada construída em cima desse tema e que acabaram se sentindo ofendidas, falando da ignorância deste publico de entender o que foi mostrado.

Embora seja pouco falado, o filme fecha bem ao mostrar os artistas comentando sobre o papel do humor nos dias atuais e se eles fariam tudo de novo, isso de usar uma linguagem mais agressiva e direta ao tratar de temas/assuntos necessários que o público, na maioria das vezes, não gosta de ouvir.

Resultado de imagem para rindo a toa humor sem limites

Mesmo com vários temas interessantes abordados, o filme perde muito a oportunidade de se aprofundar mais neles, ao privilegiar a carreira de vários humoristas e de programas de humor em diversos pontos do filme, mas também mostra como o humor é a maior forma de fazer uma critica social.

NOTA: 5 piadas hilárias de mau gosto. (5/10)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Netflix anuncia nova série em mandarim, “A NOIVA FANTASMA”

“Certa noite, meu pai me perguntou se eu gostaria de me tornar uma noiva fantasma...” A nova série original da Netflix “A Noiva Fantasma”, dirigida pelos premiados diretores malaios Quek Shio-Chuan e Ho Yu-Hang, foi produzida na Malásia e conta com uma equipe internacional de roteiristas de Hollywood, Malásia e Taiwan, liderados pela escritora de TV americana-taiwaneesa Kai Yu Wu, conhecida por seu trabalho em sucessos como Hannibal e The Flash.

A produção é uma adaptação de um best-seller homônimo do New York Times, escrito pela malasiana Yangsze Choo e lançado no Brasil, em uma edição belíssima, pela Editora Darkside Books. A série adota uma abordagem de produção refrescante.


A trama se passa em uma colônia da década de 1890, onde a protagonista, Li Lan, uma jovem educada e culta, recebe uma proposta capaz de mudar sua vida para sempre: casar-se com o herdeiro de uma família rica e poderosa. Há apenas um detalhe: seu noivo está morto. A oferta parece irrecusável, já que ajudaria sua fa…