Pular para o conteúdo principal

#streaming - Uma criança como Jake e a necessária discussão sobre gêneros e papéis sociais de gênero


O filme Uma criança como Jake, dirigido por Silas Howard, tem uma abordagem interessante dentro do movimento LGBT e no cinema queer, ao mostrar que muitas vezes a identificação de gênero de uma pessoa pode vim desde a infância, em uma fase de sua vida em que a criança nem sequer pensa ou sabe da existência desse assunto.


Embora o personagem Jake seja o grande foco da história, o diretor nos mostra o arco dele do ponto de vista de seus pais, e mesmo que Jake tenha poucas presenças em cena, as disfunções de seus pais e das pessoas que convivem com a criança nos dizem batente sobre seu jeito de ser, se comportando diferente de outros garotos e tendo gostos e interesse em assuntos (supostamente) destinados a meninas, como brincar de boneca, ou usar um tutu cor-de-rosa, mostrando a preocupação de seus pais em relação a seu comportamento, mas não pelo fato de ele se interessar por essas coisas, mas sim pelo que as outras crianças podem achar disso, e assim como uma pessoal adulta, há crianças que não se importam com a forma como Jake age, e crianças que implicam com ele, nunca mostrando essas interações, sendo somente abordadas por meio de relatos depois do ocorrido, deixando a cena convincente, já que a história não é contada do ponto de vista das crianças.

O ritmo demora bastante para encontrar um equilíbrio que desperte o interesse do público na história, o primeiro ato chega a ser bem lento, mesmo apertando os personagens fundamentais para o desenrolar da história e seu cotidiano.

O roteiro apresenta alguns subtramas que coexistem com a trama principal, mostrando a ambição dos pais de Jake em colocá-lo em uma ótima escola, mas que também têm medo dessas escolas de elite não aceitarem Jake do jeito que ele é, e o diretor consegue passar isso ao público sem deixar cair n preconceito puro e simples. Há também uma subtrama envolvendo o pai de Jake (Jim Parsons) ,mostrando seu cotidiano em seu escritório de psiquiatria que não apresenta nada para a história principal, e nem ao desenvolvimento do personagem, tornando-se totalmente descartável e inútil para o filme.


Jim Parsons faz um bom trabalho com seu personagem, ele mostra o medo que ele sente de seu filho não se encaixar com as outras crianças, mas também não tenta mudá-lo ou insistir que ele seja igual aos outros meninos, em vez disso, ele tenta entendê-lo e está disposto a procurar ajuda para que ele e sua esposa consigam aos poucos entender melhor o filho e lidar com ele.

A personagem de Claire Danes tenta ignorar que seu filho seja diferente dos outros meninos e, mesmo o amando, ela mostra que se sente culpada por incentivar seu filho a gostar de "coisas de menina", mesmo não sendo propositalmente, ou não sendo culpa dela. Sua personagem também recebe comentários sobre traços de sua personalidade vindo se sua mãe (Ann Dowd), falando de suas qualidades desperdiçadas que também não têm muito fundamento para a construção da personagem, sendo que a maior preocupação dela é colocar o filho em uma boa escola.


Octavia Spencer tem pouca participação, mas sua personagem é um pouco relevante para o desenvolvimento de outros assuntos dentro de uma das subtramas apresentadas.

Embora mostre bem a preocupação que os dois personagens têm por seu filho, a relação entre eles não fica bem estabelecida, deixando o público confuso quanto a seu relacionamento.


No terceiro ato é mostrado uma discussão entre os pais de Jake que, mesmo sendo interessante no início, alguns argumentos têm uma abordagem ruim, como, por exmeplo, ao falar que a culpa de o filho deles ser assim é dos filmes que ele assiste, que pode incomodar boa parte do público.


O desfecho é bem agridoce, sem nenhuma grande reviravolta, mas é coerente, mesmo deixando a desejar.

NOTA: 6 interpretações da Ariel.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…