Pular para o conteúdo principal

Turma da Mônica - Laços - Uma aventura incrível e muiiiiito bem transposta do gibi para as telonas!


Após 50 anos nos quadrinhos e nas animações, a Turma da Mônica ganha seu primeiro live-action, Turma da Mônica - Laços, que consegue preservar bem a essência da obra original de Mauricio de Sousa, sem parecer cartunesca ou artificial.

Imagem relacionada

O diretor Daniel Rezende (“Bingo – O Rei das Manhãs”) consegue transferir a historia dos quadrinhos (graphic novel escrita e ilustrada por Vitor e Lu Cafaggi) para as telas, misturando o realismo com o fantástico de forma equilibrada, equilíbrio este que ele mostra através dos cenários que apresentam uma vizinhança comum, mas com uma paleta de cores saturadas que remetem a algo imaginário e surreal, o que leva o público a acreditar que esse lugar pode ser real. A caracterização dos personagens também demonstra esse equilíbrio ao mostrar a fidelidade da aparência deles nos quadrinhos, adaptadas para uma versão real, permanecendo os traços principais dos personagens sem muito exagero, como o cabelo do Cebolinha, os dentes da Mônica, ou mesmo a cor verde do Floquinho.

Resultado de imagem para turma da monica laços floquinho

O roteiro trabalha com o simples e o básico, e que mesmo sendo previsível às vezes, esse recurso funciona, devido à proposta de mostrar a inocência da juventude, e de como o simples pode ser extraordinário aos olhos de uma criança, e o diretor consegue passar bem esse olhar, estabelecendo bem o ritmo em todo o filme.

Resultado de imagem para turma da monica laços

A personalidade de cada personagem também é bem trabalhada, são apresentados os traços dominantes de cada um deles, mas eles não se resumem apenas a isso. Ao longo da história o roteiro desenvolve cada um dos personagens, mostrando suas motivações, seus medos, suas determinações em ajudar e a chegar em seus objetivos, mas de uma forma infantil e ingênua, deixando-os mais humanos e levando o público a crer que possa existir uma Mônica, um Cebolinha, um Cascão e uma Magali em algum lugar. Mesmo que cada um dos 4 protagonistas tenha seu momento de destaque em tela, Cebolinha (Kevin Vechiatto) é o personagem que tem o melhor desenvolvimento, mostrando sua determinação em resgatar o Floquinho, mesmo que isso custe a confiança e a ajuda de seus amigos.

Resultado de imagem para turma da monica laços

O diretor consegue abordar vários temas sem que um tome conta demais da história, com exceção do tema dos laços de amizades, que é abordado em vários aspectos, mostrando o carinho e o afeto que sentem uns pelos outros,  a força de vontade de ajudar sem receber nada em troca, as decepções de quando um magoa o outro, e de como muitas vezes fazemos sacrifícios por quem temos afeto, e o diretor consegue transmitir isso em tela de forma comovente, emocionante e divertida, mostrando cada um dos personagens enfrentando seus medos e superando o orgulho para ajudar a todos, seja a Mônica (Giulia Benite) abrindo mão do coelhinho Sansão, Cebolinha trabalhando em um plano infalível em grupo, Cascão (Gabriel Moreira) enfrentando seu medo de água, ou Magali (Laura Rauseo) pensando mais com a cabeça do que o estômago. A química entre os 4 personagens é bem contagiante, dando a impressão de que essas crianças são amigos de longa data, mostrando seus altos e baixos, sua união e suas divergências, de forma saudável e convincente, como uma amizade legitima entre quaisquer pessoas.

Imagem relacionada

Em vários momentos durante o filme se nota diversas referências à obra de Mauricio de Sousa, algumas mais discretas e que podem até passar despercebidas, outras mais destacadas, como o personagem Louco (Rodrigo Santoro), que é introduzido no filme de modo inesperado e repentino, e mesmo o personagem não respeitando as leis da física, o ritmo do filme continua estável e coerente, sendo que a aparição do personagem não é gratuita, o roteiro consegue dar a ele uma função de apresentar um tema que é abordado mais tarde na história. Há uma referência no maior estilo Marvel que era meio de se esperar, mas que, ainda assim, pega a todos de surpresa.

Imagem relacionada

Turma da Mônica – Laços consegue emocionar, comover e causar nostalgia no público de diversas idades, mostrando como os laços de amizade são os mais fortes e resistentes que existem, além de ser uma grande homenagem à obra criada por Mauricio de Sousa, imortalizando de forma definitiva seus personagens mais queridos por ele e pelos fãs, que vêm divertindo públicos de várias gerações.

NOTA: 10 planos infalíveis.

Trailer:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…