Pular para o conteúdo principal

#FLIPOP 2019 - O festival de literatura pop focado em jovens leitores está chegando em sua terceira edição




3ª FLIPOP – Festival de Literatura Pop
Data: De 02/08/2019 a 04/08/2019 (sexta, sábado e domingo) 

2, 3 e 4 de agosto
Centro Cultural São Paulo
Rua Vergueiro, 1000 - São Paulo, SP

FLIPOP é o festival de literatura pop totalmente focado nos jovens leitores. São 3 dias cheios de bate-papos, atividades, sessões de autógrafos e diversão.

Criado em 2017, agora em sua 3ª edição, o festival reúne escritores e convidados de diversas editoras para falar sobre seus livros, encontrar os leitores e dar dicas para quem também pretende escrever sua história. A lista de autores convidados e a programação completa podem ser encontrados aqui. 

As editoras apoiadoras estarão vendendo seus livros na área aberta do Centro Cultural São Paulo durante o festival. A FLIPOP é organizada pela Editora Seguinte, e este ano conta com o apoio de: Agência Página 7, Aleph, Astral Cultural, Duplo Sentido Editorial, Editora Planeta Brasil, FTD Educação, Grupo Editorial Record, Harper Collins Brasil, LabPub, Morro Branco, Plataforma 21, Rico Editora, Rocco, todavia e Turista Literário.

Já escrevi sobre o filme e o livro Com amor, Simon aqui



Em parceria com o CCSP, apresentamos também a mostra Pop Cinema, Ficções / Fricções da Adolescência, uma seleção de filmes para e sobre o adolescente. Junto com os filmes, haverá uma série de três mesas organizadas pela FLIPOP, com convidados discutindo os temas: sexualidade, educação emocional e consciência negra na juventude. Veja a programação da mostra de cinema aqui.

VALORES:

Ingresso para um dia do festival: R$40 (inteira) e R$20 (meia-entrada)
Ingresso para o festival completo (3 dias): R$80 (inteira) e R$40 (meia-entrada)

Compre seu ingresso aqui



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …