Pular para o conteúdo principal

#homevideo - NÓS, um quebra-cabeças para enxergar a paranoia

O filme Nós, do vencedor do Oscar, Jordan Peele, nos faz enxergar delírios obsessivos por meio de uma busca macabra pelo esclarecimento.



Mais uma vez, o diretor Jordan Peele nos envolve numa trama que encena o imaginário de conspirações que rodeiam há muito tempo a paranóia norte-americana. Como em “CORRA!” (2017), seu sucesso anterior muito aclamado e premiado, o diretor nova-iorquino aborda, em “Nós”, que já está disponível em DVD (lançado hoje - e lotado de extras!!), as questões que cercam a sociedade, mergulhadas em uma atmosfera macabra e que esbanja  metáforas. 




Antes de me alongar sobre o enredo, vale dizer que, embora o racismo apareça como um assunto social explorado na história, ele não é colocado de forma escrachada, nem mesmo pelo fato de os protagonistas serem uma família negra. Esses personagens foram inseridos organicamente, ou seja, sem nenhum tipo de apelo à raça, o que é brilhante.

Mas vamos à conspiração, que se inicia com o surgimento dos antagonistas, os doppelgängers, que de maneira indecifrável vão aparecendo no desenrolar da trama, causando estranhamento e até medo, confesso. Essa cópias dão margem a muitas interpretações: Seriam elas o alter ego dos personagens? Talvez um complemento de suas personalidades? Podem até ser clones com o reflexo de seus comportamentos? O que será que acontece nos subterrâneos do território ianque?

  É justamente essa busca de respostas para perguntas alienadas que alimenta a paranoia americana que afunda cada vez mais o país em suas conspirações obscuras. Talvez devêssemos achar que o serviço de saúde do novo mundo conspira ao oferecer vacinas para a população, não é mesmo? Ou, que a Nasa, aquela agência cheia de pesquisadores loucos, falsifica fotos de nosso planeta, só para nos convencer de que ele é redondo. Que absurdo! 

Peele explora esse mal que já extrapolou qualquer fronteira. Teria ele pulado o muro e chegando nas terras tupiniquins?  É tendo essa pergunta, não conspiratória (ou talvez sim), em mente que recomendo muito o longa do premiado diretor. Ele consegue de maneira sutil e progressiva nos submergir num enredo que de fato pode ser classificado como terror. 




Os males da sociedade americana como violência, ganância, mesquinhez etc., vão aparecendo na trama como uma verdadeira praga bíblica. Algo que talvez faça parte de ser americano.  Os personagens comuns, e muitas vezes cômicos, evoluem de maneira calma e com interpretações espetaculares - vale ressaltar que os atores faziam dois personagens com comportamentos e expressividades completamente diferentes -, conseguindo deixar o espectador cheio de perguntas, ou melhor, conspirações. Jordan Peele me convenceu, um pouco mais, de que ele é um dos grandes cineastas contemporâneos, deixando sua marca no cinema de terror, mas sem perder seu humor comedido e propício.

Nota 4,8 tesouras de 5
Trailer:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …