Pular para o conteúdo principal

Crítica do filme Inocência Roubada

Mesmo abordando um tema polêmico, e necessário ser discutido, a direção de Andréa Bescond e Éric Métayer (que estreiam como diretores), em Inocência Roubada, não consegue passar o impacto desejado das cenas de abuso infantil para o espectador.

Logo no início do filme, já é mostrada a personagem Odette, de 8 anos (Cyrille Mairesse), sendo conduzida por Gilbert (Pierre Deladonchamps) para o banheiro onde ela será abusada pela primeira vez, e, mesmo que a cena do abuso em si não seja mostrada, os diretores não dão o tempo necessário para o público processar as emoções condizentes com o que foi apresentado, cortando logo para a cena seguinte, de Odette já adulta (Andréa Bescond), falando sobre o caso para sua psicóloga (Carole Franck), mudando totalmente o clima de uma cena para a outra.

Resultado de imagem para les chatouilles
A montagem repetitiva do primeiro ato faz com que o ritmo do filme não se estabeleça direito, mostrando sempre Odette sendo abusada por Gilbert, depois corta para ela com sua psicóloga, cortando novamente para a infância de Odette, mostrando o início de seu interesse pela dança, e cada um desses elementos apresentados cria um clima diferente, como desconforto nas cenas com Gilbert, momentos de conforto com sua psicóloga e de desabafo físico nas cenas de dança. A partir do segundo ato, o ritmo se mostra estável, mas o tema principal sobre pedofilia acaba ficando em segundo plano, mostrando mais a carreira de dançarina de Odette, e de como ela leva sua vida, guardando o seu segredo desde sua infância. A montagem de Odette em sua turnê, totalmente alterada, remete bem ao seu estado físico e mental, perdendo totalmente a noção do tempo e espaço, utilizando cortes rápidos e match cuts, passando a sensação de desorientação que ela está vivenciando.

Resultado de imagem para les chatouilles

O roteiro tenta interligar as cenas de abuso com as de dança, usando as conversas de Odette com sua psicóloga, com a função de mostrar que o silêncio dela a tornou assim, mas a direção não consegue convencer o público de que Odette esconde algum tipo de trauma, e muitas vezes o roteiro joga sem explicação essa informação durante seus ensaios só para lembrar que ela foi abusada pelo melhor amigo de seus pais. A conexão mais coerente é apresentada quando Odette está com seus pais, que nunca perceberam o comportamento estranho dela quando criança, e quando notavam algo que fosse, muitas vezes a castigavam de algum modo, como se ela tivesse feito algo errado, principalmente sua mãe (Karin Viard), que sempre foi severa com ela, mesmo depois de adulta. Os traumas de Odette só são novamente introduzidos de forma coerente e orgânica quando ela interage com seus pais em uma cena no restaurante que foi bem feita por parte da direção.

Imagem relacionada

A motivação de Odette para finalmente revelar o seu maior trauma para os seus pais é muito bem conduzida pela direção, ao mostrar que ela não está fazendo isso por ela, mas sim para que o que aconteceu por ela não se repita futuramente.

Resultado de imagem para les chatouilles

Mesmo com Gilbert praticando atos desumanos ao longo do filme com Odette, o espectador ainda consegue sentir repulsa e desprezo pelo personagem, sim, mas ele não se torna o mais odiado da historia, quem acaba despertando esse sentimento no público e a mãe da protagonista, que sempre ignorou as ideias da filha, e muitas vezes era ela quem colocava Odette no caminho de Gilbert, e mesmo depois de Odette confessar o que passou nas mãos de Gilbert quando criança, ela ainda duvida da palavra da filha, e ainda tem a ousadia de dizer que ela tem culpa no que aconteceu.


Embora o segundo ato se distancie do principal tema do filme, o terceiro ato consegue finalizar bem essa temática, que muitas vezes perde a oportunidade de se aprofundar melhor nesse assunto, dando espaço para momentos de dança que raramente são relacionadas como um desabafo físico com o que a personagem sentia em relação aos seus traumas.


NOTA: 6 passos de dança de manifestação sentimental e meia. (6,5/10)

Trailer:






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …