Pular para o conteúdo principal

O mistério de Henri Pick: um filme com um quê de whodunnit neonoir com reviravoltas surpreendentes


O mistério de Henri Pick, a cômica história sobre o mistério envolvendo um best-seller escrito por um falecido pizzaiolo supostamente analfabeto tem uma premissa bem interessante que consegue criar uma grande investigação sobre tudo isso, e que, além de prender o publico curioso quanto à  verdade por trás desse sucesso, o diretor Rémi Bezançon consegue misturar com bastante equilíbrio o tom cômico com elementos do gênero “noir”, que são bastante utilizados na narrativa para contar a trajetória do protagonista Jean-Michel Rouche (Fabrice Luchini), um apresentador de um programa de literatura e critico literário, que está em busca do suposto verdadeiro autor do livro de sucesso.

O mistério é bem concretizado durante o primeiro ato, o diretor apresenta os elementos que fazem com que o público acredite que Henri Pick escondia em segredo uma alma literária, e, logo em seguida, ele já estabelece a dúvida sobre a autoria da obra através do olhar realista de Jean-Michel, que, mesmo achando que ele é o único com a razão, o resto do mundo acredita firmemente que Henri Pick seja o verdadeiro escritor. 

Mesmo com a trajetória da investigação de Jean-Michel sendo bem conduzida pela direção, o roteiro é bem previsível, já que os métodos utilizados para conduzir o personagem são bem parecidos com os de outros filmes do gênero, acrescentando um pouco de humor no ritmo para descontrair e continuar prendendo a atenção do público na história.

Resultado de imagem para o misterio de henri pick

O roteiro coloca Joséphine (Camille Cottin), filha de Henri Pick, trabalhando ao lado de Jean-Michel, mas com a função de provar que seu pai escreveu de fato a obra cuja autoria Jean questiona tanto, e, mesmo que os dois tenham o mesmo objetivo, que é descobrir a verdade por trás de todo esse sucesso, eles têm finalidades totalmente opostas. O modo como um trata o outro é bem confuso, dando a sensação de que ela está a favor de que Jean desmascare seu pai e exponha a suposta mentira para o público, mas na cena seguinte ela demonstra raiva por Jean tentar sujar o nome de seu falecido pai, e mesmo depois de demonstrar esse sentimento, ela continua acompanhando-o em suas pesquisas ,em vez de elaborar sua própria investigação.

Imagem relacionada

Outro problema do roteiro ocorre quando apresenta novamente uma informação que foi revelada logo no inicio, e os personagens reagem com total surpresa e indignação, como se essa informação fosse algo inédito para eles.

Resultado de imagem para o misterio de henri pick

A direção consegue ser muito cuidadosa para não deixar que as situações apresentadas ao longo da trama sejam totalmente expositivas, principalmente para não repetir a mesma informação na mesma sequência,. Em vez disso, o diretor trabalha através da montagem e da mise-en-scène a reação dos personagens a algo que já tinha sido dito ou mostrado na cena anterior.

Resultado de imagem para o misterio de henri pick

Mesmo com o ritmo enrolado, o filme ainda consegue manter a atenção do espectador devido à curiosidade em saber se Henri Pick realmente escreveu ou não o livro, e a cena da revelação, que além de ser bem dirigida, consegue ser bem inesperada, com várias reviravoltas surpreendentes, é incrível.

NOTA: 7 pistas sobre a verdade de Henri Pick e meia.

Trailer:







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …