Pular para o conteúdo principal

O professor substituto, um thriller com críticas sociais e um plot twist surpreendente


O filme O professor substituto, que inicialmente parece ser um suspense tenso feito para prender a atenção do espectador, acaba mostrando mais conteúdo por trás de toda a historia.

Logo no início, o diretor Sébastien Marnier já começa nos apresentando o primeiro mistério do suicídio do professor durante a aula, o que, por consequência, desencadeará os próximos mistérios e desconfianças ao longo da historia de Pierre (Laurent Lafitte), que durante sua convivência na escola, vai descobrindo um estranho comportamento em um determinado grupo de alunos de sua classe e de alguns professores que também lecionam na escola.

Imagem relacionada

O roteiro consegue deixar o público bem intrigado ao apresentar um novo elemento sobre o comportamento dos alunos que aparentemente não estão nem um pouco preocupados em saber o que levou o antigo professor deles a cometer suicídio, mesmo com eles dizendo em vários momentos ao novo professor que eles o respeitavam muito, causando uma grande incerteza em Pierre e no público, levando a pensar que eles tiveram algum envolvimento com esse incidente inesperado. 

Durante a metade do segundo ato, o roteiro começa a nos apresentar outros mistérios que ocorrem com Pierre e que servem para aumentar o suspense, e muitas dessas informações acabam sendo descartáveis, já que muitas delas são esquecidas ou não têm conexão direta com a trama principal.

Resultado de imagem para o professor substituto

O diretor parece que tenta fazer uma critica sobre a ganância humana e a destruição do planeta por meio dos alunos, e embora ela seja bem encaixada na historia, de forma diegética e natural, fica desconexa em meio ao  filme, dando a impressão de que esse elemento apresentado é só um assunto aleatório introduzido na trama. 

Resultado de imagem para o professor substituto

O clima é bem estabelecido devido ao modo como a direção trabalhou bem ao construir o suspense com base nas informações apresentadas pelo roteiro, e o modo como conduziu o espectador a imergir no filme, se colocando na pele do protagonista. Esse  clima se perde um pouco quando elementos sobrenaturais e não realistas quebram o ritmo que já foi construído, levando o público a  se questionar sobre o ritmo final que o filme tomará. 

A construção de Pierre tem um grande destaque no filme. O ator Laurent Lafitte entrega uma boa atuação, e junto com a ótima direção de ator, o personagem é bem apresentado, se mostrando um homem de ambições e determinado a cumprir com sua obrigação de lecionar para uma classe logo após eles presenciarem um ato lamentável e inesperado, e aos poucos demonstra sua preocupação com o comportamento dos alunos dentro e fora da escola. Ao longo de sua investigação sobre eles, os sentimentos de Pierre se transformam em raiva, paranoia e desconfiança.

Resultado de imagem para gringe l heure de la sortie

Para aumentar ainda mais o suspense que envolve o comportamento dos alunos, eles raramente demonstram algum sentimento de alegria, lamentação, medo, ou piedade e compaixão, e o diretor ainda deixa a situação mais tensa, trabalhando bem os olhares fixos e desconfortáveis deles, com destaque para as atuações de Adèle Castillon, Victor Bonnel e Leopold Buchsbaum, que impressionam , desde o comportamento estranho, a postura até a reação deles a certos assuntos delicados.

O plot twist no desfecho é algo totalmente inesperado e surpreendente que choca por completo, mudando totalmente a perspectiva do filme para o espectador.

NOTA: 8 comportamentos estranhos dos alunos e meio.

Trailer:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Netflix anuncia nova série em mandarim, “A NOIVA FANTASMA”

“Certa noite, meu pai me perguntou se eu gostaria de me tornar uma noiva fantasma...” A nova série original da Netflix “A Noiva Fantasma”, dirigida pelos premiados diretores malaios Quek Shio-Chuan e Ho Yu-Hang, foi produzida na Malásia e conta com uma equipe internacional de roteiristas de Hollywood, Malásia e Taiwan, liderados pela escritora de TV americana-taiwaneesa Kai Yu Wu, conhecida por seu trabalho em sucessos como Hannibal e The Flash.

A produção é uma adaptação de um best-seller homônimo do New York Times, escrito pela malasiana Yangsze Choo e lançado no Brasil, em uma edição belíssima, pela Editora Darkside Books. A série adota uma abordagem de produção refrescante.


A trama se passa em uma colônia da década de 1890, onde a protagonista, Li Lan, uma jovem educada e culta, recebe uma proposta capaz de mudar sua vida para sempre: casar-se com o herdeiro de uma família rica e poderosa. Há apenas um detalhe: seu noivo está morto. A oferta parece irrecusável, já que ajudaria sua fa…