Pular para o conteúdo principal

Crítica do filme Os dois filhos de Joseph


A história que conta a relação entre um pai e seus dois filhos, no filme Os dois filhos de Joseph, é contada de forma simples, sem grandes acontecimentos ou reviravoltas empolgantes, embora isso não seja necessariamente ruim para a narrativa. No modo como o diretor Félix Moati conduz o filme, mesmo que ele seja direto e claro no que quer contar, apresenta um pouco de falta de ousadia para deixar o ritmo um pouco mais dinâmico e despertar um pouco de empolgação no público em acompanhar a trajetória desses personagens.

Resultado de imagem para OS DOIS FILHOS DE JOSEPH


Mesmo com o ritmo quase maçante, a história de Ivan (Mathieu Capella) consegue manter a atenção do espectador. O modo como o roteiro mostra como o seu pai, Joseph, e seu irmão mais velho, Joachim, são as maiores fontes de inspiração para ele, mas que após a morte de seu tio, ele os vai conhecendo mais a fundo, e acaba criando uma divergência emocional interna em relação a seus sentimentos e pensamentos a respeito de sua família. Ivan também se mostra ser um garoto religioso. O diretor consegue ser discreto e claro ao mostrar a fé do personagem, mas quando ele decide mostrar a visão da família de Ivan sobre a sua fé, o roteiro deixa meio vago se eles são a favor ou contra ela. 

O conflito que envolve Joachim (Vincent Lacoste) também fica bem estabelecido, com ele se mostrando um homem mulherengo que fica atraído por qualquer mulher que esbarra com ele, até o roteiro mostrar um pouco do personagem que tenta esconder seus traumas, mostrando que essa sua atitude é um jeito dele de lidar com esse trauma do seu passado, mas, novamente, o roteiro deixa tudo isso muito vago, e mesmo na cena em que Joachim se abre e fala sobre isso, não é deixado totalmente clara a origem de seu impulso para com as mulheres.

Resultado de imagem para OS DOIS FILHOS DE JOSEPH


Joseph (Benoît Poelvoorde) está em um tipo de crise após a morte de seu irmão, se distanciando de sua profissão e se dedicando mais à carreira de escritor, e, ao mesmo tempo em que ele tenta se aproximar de seus filhos, suas decisões acabam preocupando Joachim e distanciando Ivan, mas quando o roteiro coloca em tela o que ele realmente sente em relação ao que se passou com ele, a direção consegue deixar tudo bem claro não só para o público que está assistindo ao filme, como também para seus filhos, de forma expositiva, sim, mas sem ser forçada.

Resultado de imagem para OS DOIS FILHOS DE JOSEPH

A fotografia é bem escura. Na maioria das cenas é usada apenas a luz ambiente do local, principalmente em cenários internos, passando para o espectador a sensação deprimente e tensa entre os três protagonistas.

Embora o filme possa ter uma boa história sobre uma relação saudável, com vários altos e baixos entre um pai e seus filhos, o roteiro raramente se aprofunda em alguns assuntos, e quando consegue, a direção quase não chega a manter a atenção do público.

NOTA: 5 conflitos entre pai e filho. (5/10)

Trailer:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …