Pular para o conteúdo principal

Teamfight Tactics: O auto chess do LoL vale a pena?


Depois de muitos eventos e modos de jogo alternativos, o League of Legends lançou seu primeiro auto chess em junho deste ano!
O Teamfight Tactics traz diversos rostos conhecidos de Summoner’s Rift para este novo modo em que o invocador terá que usar toda sua estratégia e todo o seu conhecimento de jogo para criar a melhor composição e vencer seus inimigos!


Você inicia o jogo em uma roda aleatória com campeões e itens aleatórios. Como todos os invocadores são soltos ao mesmo tempo nessa rodada, nem sempre será possível conseguir o campeão desejado, mas ele servirá de base para conseguir mais itens e ouro nas rodadas iniciais.
A ideia é que o jogo dependa menos de sorte, mas ainda não descobri um padrão para os personagens que aparecem conforme você realiza suas compras. Talvez sejam aleatórios ou, talvez, baseados no tipo de campeão que você escolhe (ainda acho que é aleatório mesmo). As estratégias se baseiam em montar uma composição forte cedo, dependendo da sua sorte na loja, ou guardar ouro para gastar em campeões mais caros conforme sobe de nível (bom, mas arriscado, você pode ficar sem defesas e acabar perdendo muita vida).


As composições mais fortes para iniciar o jogo (e mais fáceis de conseguir) são, com certeza, Nobre e Selvagem. Essas composições requerem campeões baratos e te dão uma garantia de vida maior até que você ache o que realmente procura.


Cada campeão, combinado com outros da mesma classe, te dará um buff diferente, de acordo com sua descrição e principais habilidades. Os itens também ajudam muito a fortalecer o campeão, e fazer um item errado ou colocá-lo em um campeão que não consegue usá-lo da maneira correta pode acabar com seu jogo.
Das composições que testei, as que achei mais fortes no meio e no fim do jogo foram Demônio e Ninja. Patrulheiro e Assassino são boas opções também, mas eles dependem mais de itens do que o primeiro caso.
Além das composições divertidas, você joga com os "little legends", que são mascotes do TFT. São muito lindos! Acaba virando um vício colecioná-los.




O jogo foi um sucesso logo em seu lançamento e sobrecarregou os servidores da Riot. O jogo demorava, no máximo, cinco segundos para ser formado e havia filas de meia hora apenas para encontrar uma partida, como forma de liberar espaço no servidor e manter o bom funcionamento. As filas ranqueadas do jogo já estão liberadas e muitas pessoas trocaram Summoner’s Rift por TFT! Será que essa febre vai durar?
Indico muito o auto chess do lol para quem gostar de jogos do gênero! É um pouco complicado em questão de itemização, mas já existem vários guias que ajudam muito espalhados pela internet! De resto, é só aproveitar e se divertir (e torcer por um pouco de sorte)!
E você, já jogou o TFT? O que achou?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …