Pular para o conteúdo principal

Teamfight Tactics: O auto chess do LoL vale a pena?


Depois de muitos eventos e modos de jogo alternativos, o League of Legends lançou seu primeiro auto chess em junho deste ano!
O Teamfight Tactics traz diversos rostos conhecidos de Summoner’s Rift para este novo modo em que o invocador terá que usar toda sua estratégia e todo o seu conhecimento de jogo para criar a melhor composição e vencer seus inimigos!


Você inicia o jogo em uma roda aleatória com campeões e itens aleatórios. Como todos os invocadores são soltos ao mesmo tempo nessa rodada, nem sempre será possível conseguir o campeão desejado, mas ele servirá de base para conseguir mais itens e ouro nas rodadas iniciais.
A ideia é que o jogo dependa menos de sorte, mas ainda não descobri um padrão para os personagens que aparecem conforme você realiza suas compras. Talvez sejam aleatórios ou, talvez, baseados no tipo de campeão que você escolhe (ainda acho que é aleatório mesmo). As estratégias se baseiam em montar uma composição forte cedo, dependendo da sua sorte na loja, ou guardar ouro para gastar em campeões mais caros conforme sobe de nível (bom, mas arriscado, você pode ficar sem defesas e acabar perdendo muita vida).


As composições mais fortes para iniciar o jogo (e mais fáceis de conseguir) são, com certeza, Nobre e Selvagem. Essas composições requerem campeões baratos e te dão uma garantia de vida maior até que você ache o que realmente procura.


Cada campeão, combinado com outros da mesma classe, te dará um buff diferente, de acordo com sua descrição e principais habilidades. Os itens também ajudam muito a fortalecer o campeão, e fazer um item errado ou colocá-lo em um campeão que não consegue usá-lo da maneira correta pode acabar com seu jogo.
Das composições que testei, as que achei mais fortes no meio e no fim do jogo foram Demônio e Ninja. Patrulheiro e Assassino são boas opções também, mas eles dependem mais de itens do que o primeiro caso.
Além das composições divertidas, você joga com os "little legends", que são mascotes do TFT. São muito lindos! Acaba virando um vício colecioná-los.




O jogo foi um sucesso logo em seu lançamento e sobrecarregou os servidores da Riot. O jogo demorava, no máximo, cinco segundos para ser formado e havia filas de meia hora apenas para encontrar uma partida, como forma de liberar espaço no servidor e manter o bom funcionamento. As filas ranqueadas do jogo já estão liberadas e muitas pessoas trocaram Summoner’s Rift por TFT! Será que essa febre vai durar?
Indico muito o auto chess do lol para quem gostar de jogos do gênero! É um pouco complicado em questão de itemização, mas já existem vários guias que ajudam muito espalhados pela internet! De resto, é só aproveitar e se divertir (e torcer por um pouco de sorte)!
E você, já jogou o TFT? O que achou?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…