Pular para o conteúdo principal

Venom na programação da #HBO... então, eu vi... e não é que curti?



Venom é aquele filme que entra na minha categoria de filme ruim-bom. Tipo, é bem ruim, várias vezes parece que estamos vendo um filme de super-heróis da época do Demolidor com Ben Affleck, com a diferença de que… hum, se esquecermos o quão ruim ele é, o filme se torna bom - como é praticamente o caso com todos os guilty-pleasures, certo?



Acabei não vendo o filme no cinema, afinal, é meramente impossível vermos todos os filmes que desejamos no cinema, e confesso que agora, que estou com TV a cabo, estou ficando levemente viciada em fazer essas escolhas dentro do menu: ou seja, hummm, vamos ver o que vai passar hoje que já vi para rever ou, vejamos o que tem de novo que eu ainda não vi e, voilà, foi assim que acabei vendo Venom hoje. 


Sim, pelo que vi, a crítica massacrou o filme. ainda me lembrando daquele terror enfadonho que me faz dormir em noites de insônia do Spiderman 3 da trilogia de Sam Raimi, penso que meu querido Venom até que não teve um filme solo tão ruim assim. Tem uns momentos clichês? Super, demais, sim, claro, dá para ticar vários elementos clichês do começo ao fim, mas, como já vem virando tendência, Annie, chamada por muitos de “interesse amoroso” de Eddie, na verdade é uma personagem bem construidinha, apesar de, calma, gente, ser totalmente clichê. Tudo é bem clichê. As reviravoltas, tudo. Do começo ao fim. Ainda assim, um cachorro e uma menininha “possuídos” por simbiontes são divertidos. Há várias coisas divertidas em meio a todas as obviedades da trama. O vilão não tem profundidade nenhuma, ele é tão raso e argh, para quem, com todos os defeitos do filme ainda gostou dele, como eu, só nos resta esperar por Venom 2 e o Carnage de Woody Harrelson. 



Então, sem mais delongas, se você curte um bom filme ruim-bom, Venom é uma boa pedida para aqueles momentos em que você precisa de algo leve, cheio de ação, momentos hilários - o Eddie Brock de Tom Hardy faz uma simbiose incrível com Venom e sua atuação é, de fato, muito boa em meio a um filme cheio de pontos ruins, mesmo que no geral ele seja um ruim-bom. 



Ah, claro: um ponto excelente: Venom não fica se servindo das mulheres como damas em apuros ou meros interesses amorosos para os homens protagonistas. Pelo menos isso, sim, indica que o filme foi feito nessa era, aleluia! 

Veja a tirinha completa aqui

Nem vou dar uma nota séria, tipo, sei lá... essa é mais uma indicação de um filme guilty pleaasure bem agradável para quem curte o estilo do que uma crítica ou análise séria de cinema, então... bem, visto que essa é uma categoria complexa e discutível.... Enfim... Mas super indico. veja Venom, se ainda não viu, e se viu e curtiu como eu, com todas as ressalvas acima expostas, reveja, que tal? Não importa. Se ainda decidir (re)ver Venom, divirta-se! Eu veria de novo, sim ou claro? Claro! :3

Trailer:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …