Pular para o conteúdo principal

5 motivos para ver Yesterday, um filme fofo de Danny Boyle

O novo filme de Danny Boyle, Yesterday, é um daqueles filmes que fazem com que a gente (bem, quem pelo menos tem coração, rs, mesmo que às vezes meio gélido como o meu, rs) saia da sala de cinema com um largo sorriso no rosto. 

Danny Boyle é responsável por vários filmes que eu simplesmente amo. E tem até uma surpresinha com um ator que já esteve em um dos filmes dele, Extermínio, como um personagem, digamos, fundamental na trama, mas que não parece logo de cara. Trainspotting, Extermínio, Cova Rasa (de um humor macabro e incrível que vi e revi faz tempo, mas do qual ainda mem lembro até de algumas cenas icônicas). Ele chegou a abrir mão da direção de Alien, a Ressurreição, para dirigir a comédia romântica Por uma vida menos ordinária (uma comédia romântica que amo, por sinal, ou seja, não é a primeira vez em que Danny se envereda nos campos das comédias românticas). E Yesterday é isso (e muito mais): uma bela comédia romântica. 



Mas chega de introduções e vamos aos motivos:

1. Claro que o que expus acima já conta, se você curte o trabalho do diretor, provavelmente vai querer conferir esse trabalho dele também. Mas as coisas ficam ainda mais legais quanto ele aborda o E se...? Confesso que amo histórias alternativas. E se o Titanic não tivesse afundado, o que aconteceria, é um dos meus episódios prediletos de Supernatural. E é partindo dessa mesma premissa, que não é nova, mas que é revitalizada por Boyle no filme, e se os Beatles não existissem?, que se desenrola a trama. A partir de um evento, digamos, sobrenatural, não só os Beatles não existem nessa realidade alternativa, como não existem outras coisas icônicas da nossa cultura/de itens de consumo, que não vou citar aqui para não estragar a diversão. Então, se você, como eu, curte uma história de E se...?, esse filme é uma ótima pedida. 

2. Gostar dos Beatles. Pus em segundo lugar, mas é meio óbvia. Músicas dos Beatles serão tocadas do início ao fim, então, nem precisa ser fã, mas se você não curte o som, seus ouvidos vão doer e você não vai apreciar o conjunto da obra. Confesso que agora as músicas não saem da minha cabeça, rsrsrsrs



3. Os twists são bons. No trailer parece que ele vai ser desmascarado, mas tem uma surpresa ali. Além disso, fama, sucesso, amigos, família, tudo isso é muito bem trabalhado e questionado nas entrelinhas no filme, sem deixar pontas soltas. Sim, é um filme feliz. É um filme que você pode ver sozinho, com a família, com amigos, e pode até emendar indo a um karaokê. 

4. Tem o Ed Sheeran, do qual nem sou muito fã, mas o personagem dele se encaixa bem na trama e tem várias situações engraçcadas com ele. Hey Dude foi tenso, rsrsrsrs, mas isso acaba virando também piada no filme. E falando em piadas: não são forçadas, elas fluem, são orgânicas na trama e as horas de filme passam sem que você sinta que não acaba mais.

5. O final do filme é extremamente feliz e satisfatório para todos os envolvidos. O conjunto é tão perfeitinho que posso dizer que, assim como Um casal improvável, revitaliza o gênero de um jeito que é mais do que bem-vindo, sem clichês machistas, mas não com a abordagem mais socio-política-cultural do filme com a Charlize Theron, é diferente, e isso é bom. Porque chega de mais do mesmo, não?

Veredito final: 5 canções famosas dos Beatles cantadas levemente errado porque... a memória, né? ;)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …