Pular para o conteúdo principal

Em Anna - O perigo tem nome, Luc Besson revisita e acerta na renovação do tema das mulheres na espionagem


Com vários momentos que remontam ao digníssimo La femme Nikita (o original francês, do próprio Luc Besson, e não seus remakes e adaptações), Anna - O perigo tem nome, escrito e dirigido por ele mesmo, vem como um presente embrulhado em reviravoltas, muitos tiros, sangue e girl power. 

Anna tem uma estética diferente de La Femme Nikita, a começar porque a estética do segundo é meio noir. Sem as tinturas noir de Nikita, com uma paleta de cores mais em tons pastéis, mas também usando outras paletas no decorrer da trfama e na passagem dos anos, Anna traz uma revitalização no gênero muito bem-vinda, junto com seus antecessores Atômica e Operação Red Sparrow


Usando vários elementos clássicos de filmes de ação das décadas de 1980 e 1990, incçuisve o uso de elementos dos ambientes nas lutas, clássico em vários filme e agora me vem á memória Rajada de fogo, com Brandon Lee, em que ele usa a porta de um armário na luta, entre outras situações como tal, e também já muito bem reapropriados em filmes de ação recentes, como nos filmes de John Wick, Anna vem para reforçar que nós, mulheres, temos a mesma capacidade de lutar, bater, atirar, sobreviver, nos virarmos e sairmos por cima de situações adversas. E, justamente por aquela ilusão, ultrapassada, mas que ainda persiste, de que somos “o sexo frágil”, Anna, como qualquer mulher mortal, acaba saindo na frente com vantagem.


Mas a personagem tem um quê a mais: ela não é só boa nas artes de matar e enganar, ela é extremamente inteligente. É um ótimo papel feminino. Este é o segundo trabalho da atriz Sasha Luss, e é a segunda vez em que trabalha com Luc Besson, tendo antes feito o papel da princesa alienígena Liho-Mihaa em Valerian e a cidade de mil planetas.


Há também a referência da Matrioska, aquela boneca russa da qual eu já falei aqui, quando discorri sobre a série Boneca Russa, com a qual a personagem de Anna também se compara, e essa boneca tradicionalmente russa tem, como falei no post, várias metáforas e significados. Não é de hoje que Luc Besson cria personagens femininas fortes, poderosas, incríves. O profissional  e La Femme Nikita e Lucy são apenas três exemplos, agora somados a Anna - O perigo tem nome.
Só um lembrete antes de chegar ao veredito e dar nota ao filme: antes de se questionar por que Anna é "invencível", é só prestar atenção no background dela na própria trama, lembrar que é um filme de ficção e se perguntar se você faria o mesmo questionamento se ela fosse um homem. Ah, além disso, o fato de ela ser magra e não parecer forte. Um, aparências enganam. Tive um treinador de Krav Maga magro e bem letal. Dois, agilidade e técnica em luta, o que também aprendi como meu treinador, muitas vezes valem mais do que uma força que a pessoa nem sabe usar. Raramente se questiona por que o homem é "invencível". James Bond, Jack Reacher, tudo bem? Sem misonigia, por favor. Mulheres podem sim, ser muito letais! (The Bride... alguém lembra?)

Ps.: A pergunta que não quer calar: quanto vale sua liberdade? ;)
Nota: 5 vaivéns em flashbacks muito bem montados e editados ~;) (5/5)

Trailer:
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …