Pular para o conteúdo principal

Eu sou Brasileiro, de Alessandro Barros - Um drama de auto-ajuda que passou bem longe da trave


Eu sou brasileiro, primeiro longa de Alessandro Barros, se apresenta com todos os clichês (mal usados) de auto-ajuda. A produção narra a trajetória de Leo (Daniel Rocha), aspirante a futebolista, que, no dia da grande chance de sua vida, sofre um acidente que muda o rumo de seus planos. Depois disso, há uma incansável busca para demonstrar a resiliência do homem brasileiro, escancarada na máxima de que nosso povo “não desiste nunca”. 

Em seu roteiro bem mal construído, que  parece ter saído de uma das forminhas de manjar que decoram a cozinha da casa de Leo, onde geralmente está sua antiga melhor amiga e agora esposa, Lu (Fernanda Vasconcellos), Barros satura o espectador com exemplos de perseverança, reveses e recompensas que fogem de qualquer tipo de complexidade ou crítica social. Um exemplo é sua mãe (Cristiana Oliveira), que passa muitas horas de seu dia costurando bandeiras do Brasil, demonstrando sua obstinação para conquistar algum dinheiro para manter sua casa (Lu, após se casar com Leo, continua produzindo as mesmas bandeiras, ou seja é uma copa do mundo eterna), enquanto o filho treina, dá aula de futebol na escolinha da cidade e faz alguns bicos. Isso tudo em um lugar do Brasil que não fazemos ideia de onde seja. A maneira genérica como a contextualização é apresentada deixa o espectador perdido e impede que seja cativado. 


Não posso negar que a temática tem muita margem para ser explorada; de fato, vivemos em um país que as oportunidades são escassas e reconheço que o sonho de ter uma vida melhor por meio do futebol é algo instalado no imaginário do brasileiro, mas há tantas maneiras de explorar essas “críticas” sem pender para a estereotipação e com o mínimo de engajamento. A narrativa não nos aproxima em momento algum um Brasil onde problemas estruturais são o que de fato geram os enormes problemas de desigualdade e a perda de esperança na tutela do Estado. Pode até não ser a linha pretendida pelo diretor, mas colocar todas as responsabilidades das conquistas da vida do protagonista apenas em suas costas beira o absurdo. 
A construção dos personagens também se vale excessivamente dos estereótipos, e fica bastante clara na competição feminina das pretendentes do protagonista. Enquanto Lu é completamente recatada, tímida, com suas roupinhas neutras e falas sentimentais, sua adversária, Binha (Marcella Rica) é a típica maria-chuteira, totalmente fútil e vulgar. Não acho que seja errada essa dualidade, o que incomoda é a maneira simplista e pouco profunda que são desenvolvidas, como todos os outros personagens. 
Não tenho propriedade para análises técnicas profundas, confesso, mas até eu enxerguei o tom amador do filme, com cortes em momentos nada necessários, montagem fraca, direção de atores que fez atrizes renomadas como Zezé Motta e Letícia Spiller perderem qualquer brilho e até problemas grotescos com mixagem de som.


O longa se perde em sua obsessão por estimular o poder de resiliência do povo brasileiro, se valendo de um plot twist  que acrescenta ainda mais clichês à trama. Por isso, sugiro para a toda equipe do filme que se valha da tão evidente lição de moral de Eu sou brasileiro e mantenha a perseverança e continue tentando. 


Nota: meia cabeçada na trave.


Trailer:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …