Pular para o conteúdo principal

#filmeHBO - Compartilhar - Precisamos falar sobre abuso sexual e a atitude horrível de culpar a vítima!

A brutal realidade por trás da ficção, as atuações realísticas, a trilha sonora bem pontuada e a necessidade de se falar sobre dois assuntos sobre s quais muitos preferem se calar - abuso sexual & compartilhamento de vídeos íntimos na internet - o filme Compartilhar (Share) tem que lidar com tema pesado, e o faz de forma a nos envolver na situação, a sentir o peso da dramaticidade por trás de atos e fatos que, infelizmente, são muito comuns hoje em dia. Sim, precisamos falar sobre isso e sobre conscientização. Sobre como é "diferente", sim, ser mulher. Como somos mais julgadas, culpabilizadas quando, na verdade, somos vítimas, condenadas por denunciar agressões, quando quase, diante de todo esse quadro sombrio, eles quase nos convencem de que a culpa é nossa... Não, precisamos parar com isso e, sim, precisamos discutir esses assuntos, por mais incômodos que sejam, pois mais incômoda é a triste realidade de muitas mulheres... 

E o filme aborda isso tudo de um jeito nu e cru, mostrando as sequelas que acabam recaindo mais sobre a própria vítima do que sobre os culpados, já sendo considerado por alguns críticos como Kids da geração do WhatsApp. 

Os pais... eles ajudam a filha, mas fica bem claro que o homem, o pai, como diz a mãe, não entende por completo, apesar de ajudar a filha, pelo simples fato de ele ser homem. "Ele não precisava saber..." Ele não tinha que se preocupar com isso, afinal, ele é homem. Eu juro que não entendo em que mundo vivem aquelas pessoas que acham que não precisamos de feminismo, que não existe desigualdade de gêneros... quando, em pleno 2019, vemos decisões da "Justiça" contra a vítima, investigando a vida da vítima, e não do criminoso (ela bebeu, ela usava roupa curta, ela pediu, ela isso, ela aquilo... é cruel demais!)


Mas, como também diz o pai, gostar de beber, de se divertir, de ir a festas, de modo algum justifica que se abuse de uma mulher. De modo algum! Ainda leio mil barbaridades na Internet sobre isso, e, infelizmente, muitos comentários não vêm de homens, e sim, de mulheres. Precisamos parar de defender criminoso a achar culpa na vítima, quando isso, só em tese, já é um absurdo! É horrível demais até mesmo que mexam com a gente na rua, que achem que possam elogiar nossos cabelos, nossas roupas, que exijam que estejamos sempre sorrindo, que aceitemos esses "elogios" que mais são invasivos do que algo nem sequer aceitável. Nenhuma mulher é obrigada nem a responder a tais coisas, quanto mais aceitá-las. Relevar? Quanto mais se releva, mais se perpetua que está tudo bem incomodar as mulheres pelo simples fato de serem mulheres. É a "instituição" do machismo estrutural fazendo seu papel odioso de minimizar os problemas reais e tachar muitos deles como #mimimifeminista. =/


Nossos corpos, nossas roupas, nossas vidas - a nós pertencem. Não somos "feitas" para os homens, não temos que agradá-los e muito menos aceitar que nos humilhem, que nos diminuam, que nos objetifiquem e, menos ainda, que abusem de nós.

O final do filme Compartilhar é tenso... mas bem realista, pois o filme de Pippa Bianco não se propõe a nos entregar uma fórmula com respostas fáceis a problemas que, infelizmente ao que parece, vão demorar a desaparecer. E, se você que está lendo isso daqui acha mesmo "natural" as microagressões diárias que nós, mulheres, sofremos, veja ou reveja este filme aqui, Eu não sou um homem fácil, sátira da Netflix que mostra a inversão de papéis e o quão não é natural essa invasão diária dos espaços das mulheres. E, ao ver Compartilhar, na HBO, você vai se deparar com a triste realidade de como a vítima continua sofrendo e sendo julgada e se culpando, por conta do que a sociedade e as autoridades ainda fazem com a gente. Tenso, mas altamente necessário, Compartilhar cumpre bem seu papel de advertência - e deveria, sim, por mais incômodo que seja, ser visto pelos pais juntos com seus filhos e suas filhas. Doloroso, desconfortável e necessário. 

Nota: 5 vídeos íntimos vazados na Internet



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …