Pular para o conteúdo principal

Histórias assustadoras para contar no escuro tem tudo para ser um futuro clássico do terror juvenil

Sabe aquele filme que tem praticamente todas as tropes (ou clichês) de filmes do gênero e, não, apesar de, ou também por causa de tudo isso, acaba sendo uma bela joia lapidadinha? É esse o caso de Histórias assustadoras para contar no escuro, que tem tudo para ser um futuro clássico do terror.  


Por que Histórias assustadoras para contar no escuro pode vir a se tornar um futuro clássico do terror...?

Com uma sequência digna de ter saído dos piores (no sentido de melhor, em termos de terror) momentos de filmes/histórias fantasmas/mitologia de espíritos vingativos orientais, como no cartaz acima, mesclando esse terror oriental com a cor vermelha, com uma cinematografia alucinante, em uma espécie de sala de espelhos, essa “criatura” terrível e que parece um oni conjurado de uma imaginação perversamente (no bom sentido também) cruel, e esse quê de cena digna de ter saído de O iluminado, que nos remete a ele, mas que não o copia… com o clichê dos adolescentes “perdedores”, dos bullies, dos policiais racistas, xenofóbicos e sexistas… 

Com uma premissa clássica: uma história de assombração contada e ambientada no Halloween, com direito a casa mal-assombrada e tudo… Talvez, o ponto mais “fraco” do filme seja que tudo aquilo que é pincelado no subtexto - a mensagem anti-guerra, a eleição de Nixon, o bullying e suas sequelas, entre outros, acabam não sendo aprofundados, o que talvez vejamos em uma possível sequência. Ainda assim, embora não seja perfeito, o filme funciona muito bem naquilo a que se propõe, sem deixar de lado a tendência de filmes com uma cara/estética oitentista - ainda que Histórias assustadoras para contar no escuro se passe em 1968. 


Com uma fotografia que alterna entre a saturação à la década de 1970 e a paleta mais escura, outro algo típico de filmes de terror, como até foi comentado em um dos (vários episódios meta de Supernatural), a produção é bem feitinha, Com um quê bem infanto-juvenil, ainda que bem mais leve do que It - a coisa, por exemplo, não é tão leve quanto histórias mais estilo Goosebumps. Ou seja, praticamente ticando vários dos pontos "obrigatórios" em um filme do gênero da cartilha do terror.

Co-escrito e produzido por Guilermo Del Toro, é com esse terror saudosista que Histórias assustadoras para contar no escuro nos entrega uma ótima trama de terror que, com base em tropes comuns ao gênero, ainda que com censura baixa, ou seja, um filme de terror para adolescentes e até mesmo família, não decepciona e nos mantém entretidos do inicio ao fim. 

***

Nota: 4 histórias contando sua morte da qual vocês não conseguem fugir... e meia, quando você resolve o mistério e consegue fugir vivo da Escape Room ;)


Trailer:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…