Pular para o conteúdo principal

Meu amigo Enzo derrapa bastante na pista molhada, mas não é de todo ruim



Meu amigo Enzo é totalmente voltado para quem ama filmes de cachorro, isso é fato, porém, depois de algum tempo, notamos que ele não tem o mesmo impacto - apesar de fofíssimo, sim, e de arrancar lágrimas - de outros filmes desse meio que “subgênero”, como Marley & Eu, por exemplo, dos mesmos produtores. 

Inspirado no livro A arte de correr na chuva, o filme Meu amigo Enzo emociona apelando aos nossos corações do começo ao fim, já iniciando com o final da vida do cão, quando o animalzinho está à beira da morte. 


Confesso que as partes mais emocionantes e tocantes são justamente as do Enzo. E claro que o cãozinho é uma fofura. São os personagens humanos em si que deixam demais a desejar. A metáfora da Arte de correr na chuva, embora explicada no filme, acaba não colando muito bem na trama e, além disso, a carreira de Denny, a doença da esposa e o absurdo da luta na justiça pela custódia da criança, típicos de dramalhões mexicanos, acabam fazendo com que, com tudo o que acontece em volta de Enzo, incluindo um terrível caso de negligência com o bichinho, nem dá para entender por que o catioríneo tão fofíneo ia querer ser humano, na verdade… Vemos atitudes mesquinhas por parte dos humanos de um jeito ou de outro com tanta frequência do começo ao fim deste filme, de modo que acaba sendo ainda mais triste ver aquele cão tão devotado a seus humanos daquele jeito.


A atuação de Milo Ventimiglia está ótima, e ele parece o personagem mais denso do filme depois do próprio Enzo, mas, ainda assim, há um quê sempre ali pairando sobre como até mesmo seu personagem poderia ter sido mais aprofundado.

Claro que eu chorei, pois sim, arrancar lágrimas é um dos objetivos do filme, mas uma análise mais densa só remove as nuvens que se formaram com a chuva e acabamos vendo que é só isso, um filme de cachorro que apela para o melodrama e que acaba passando muitos panos quentes no caso e negligência com o animal - o que, de fato, me incomodou, e muito. 


O final acaba sendo totalmente esperado, clichê e cafona, e nessa parte foi que mesmo meu lado mais sensível acabou ficando com um pouco de vergonha alheia. Está mais para um filme a ser visto na sessão da tarde, caso esteja passando na TV, mas não a ponto de fazer questão de se ver no cinema. 

Nota; Dois latidos e meio - pelo que acabou sendo e poderia ter sido muito mais do que “apenas um filme sobre cachorros”

Trailer:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Netflix anuncia nova série em mandarim, “A NOIVA FANTASMA”

“Certa noite, meu pai me perguntou se eu gostaria de me tornar uma noiva fantasma...” A nova série original da Netflix “A Noiva Fantasma”, dirigida pelos premiados diretores malaios Quek Shio-Chuan e Ho Yu-Hang, foi produzida na Malásia e conta com uma equipe internacional de roteiristas de Hollywood, Malásia e Taiwan, liderados pela escritora de TV americana-taiwaneesa Kai Yu Wu, conhecida por seu trabalho em sucessos como Hannibal e The Flash.

A produção é uma adaptação de um best-seller homônimo do New York Times, escrito pela malasiana Yangsze Choo e lançado no Brasil, em uma edição belíssima, pela Editora Darkside Books. A série adota uma abordagem de produção refrescante.


A trama se passa em uma colônia da década de 1890, onde a protagonista, Li Lan, uma jovem educada e culta, recebe uma proposta capaz de mudar sua vida para sempre: casar-se com o herdeiro de uma família rica e poderosa. Há apenas um detalhe: seu noivo está morto. A oferta parece irrecusável, já que ajudaria sua fa…