Pular para o conteúdo principal

Minha lua de mel polonesa e o resgate do legado de nossos antepassados



Ao primeiro olhar desse história, parece que Minha lua de mel polonesa é uma comédia bem equilibrada, sem muitos exageros, mas, ao longo do filme, a diretora Elise Otzenberger vai aprofundando melhor a trama, e o humor acaba servindo como um modo de descontrair o público em um filme que aborda temas como superação e recordação, ao mostrar descendentes de vítimas do Holocausto, lembrando e homenageando não só seus familiares, mas também a todas as vítimas dessa triste e cruel parte de nossa história.

Resultado de imagem para minha lua de mel polonesa

Mesmo com o humor servindo de fachada para o principal tema do filme, ele é bem dosado pela direção, ao usar elementos como os protagonistas, que são franceses, tentando dialogar sem sucesso com os poloneses, devido aos idiomas distintos, ou dos personagens se orgulhando de sua linhagem polonesa, e achando que sabem tudo sobre o país de seus ancestrais, mesmo nunca terem pisado lá ate aquele momento.

Resultado de imagem para minha lua de mel polonesa

Algumas situações são um pouco exageradas e um tanto forçadas, que é o caso da cena do bairro judeu, que mesmo tendo um propósito na cena, se torna obsoleta devido à cena seguinte, em que o casal visita um antigo campo de concentração, em que o clima é mais controlado e ao mesmo tempo consegue causar desconforto com eles visitando um dos lugares que mais causaram dor e sofrimento para diversos inocentes.


Em diversas cenas, o roteiro faz questão de mostrar o quanto Anna (Judith Chemla) tem orgulho de sua descendência, repetidas vezes, o que acaba cansando. O relacionamento entre Anna (Judith Chemla) e Adam (Arthur Igual) é bem conduzido pela direção, convencendo o público do amor e do respeito que um tem pelo o outro, mesmo com brigas e divergências que ocorrem com bastante frequência em sua viagem, mostrando como um é o oposto do outro em diversas formas, seja em suas personalidades, já que ela é mais cuidadosa, emocional e preocupada, e ele é bem mais tranquilo e despreocupado, visto que ele nem tinha tanta vontade assim de fazer essa viagem.

O ritmo do terceiro ato se torna totalmente sério ao mostrar a verdadeira razão que levou os personagens a fazerem essa viagem, mostrando que a linhagem dos judeus que tiveram suas vidas interrompidas continua viva através de seus descendentes, que mantêm sua crença viva até hoje.

NOTA: 8 pratos típicos da Polônia e meio.

Trailer:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…