Pular para o conteúdo principal

O sucesso The Good Doctor chega ao Sony Channel


1ª temporada da série sobre o médico autista Shaun Murphy estreia nas noites de segunda-feira com episódio duplo

As segundas do Sony Channel vão ganhar mais um reforço médico de peso: a 1ª temporada de The Good Doctor estreia no canal no dia 2 de setembro, às 21h, com episódio duplo, apresentando à audiência o mais novo ícone dos dramas de hospital da TV: Shaun Murphy (Freddie Highmore), o jovem cirurgião com autismo e Síndrome de Savant que começa a série sendo recrutado para a unidade cirúrgica de um grande hospital.

Sozinho no mundo e incapaz de se conectar emocionalmente com aqueles que o rodeiam, Dr. Murphy vai usar sua inteligência aguçada para solucionar casos complexos de pacientes, enquanto tenta trabalhar em meio à desconfiança de colegas e chefes.

Criada por David Shore - responsável pela série House - The Good Doctor vai mostrar em seus episódios pacientes que estão entre a vida e a morte e como a mente de Shaun Murphy e de seus colegas buscam assegurar um final feliz aos que dão entrada no hospital San Jose St. Bonaventure.

 

Ao longo da primeira temporada, Murphy vai enfrentar diversas batalhas no trabalho – como tumores malignos, transplantes complexos de órgãos e colegas traiçoeiros – e em sua vida pessoal, ao lutar contra o preconceito constante e pelo respeito que seus talentos merecem.

The Good Doctor já rendeu a Freddie Highmore uma indicação de melhor ator em série dramática no Globo de Ouro. A nova estreia do Sony Channel também já foi condecorada com o tradicional prêmio Humanitas, que reconhece produções americanas que promovem a dignidade humana.

David Shore (House) é roteirista e produtor executivo da série, Daniel Dae Kim (Lost e Hawaii Five-0), David Kim e Sebastian Lee também são produtores executivos. Seth Gordon dirigiu o piloto e também é produtor executivo.

Eu assisti à primeira temporada quando estava disponível apenas na Globoplay e posso dizer que é fantástica! 10/10 bisturis precisamente usados pelo Dr. Shaun ;)
 
Também já postei sobre o #AbrilAzul, mês de conscientização sobre o autismo aqui. A Michelle escreveu sobre um documentário brasileiro sobre o autismo aqui, e eu escrevi sobre Tudo que quero, um filme em que Dakota Fanning faz uma personagem autista e fã de Star Trek em busca de seu sonho, aqui.

  
The Good Doctor – 1ª temporada
Classificação indicativa: 12 anos 
#TheGoodDoctorNoSony 
Segundas, às 21h

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …