Pular para o conteúdo principal

Socorro, virei uma garota!, um filme de Leandro Neri


A premissa de uma pessoa mudar de corpo de forma extraordinária não é algo original, mas que também não é necessariamente ruim, se tiver uma boa proposta narrativa e for bem conduzida pela direção, coisa que esse filme tem dificuldade em fazer. O diretor Leandro Neri deixa bem claro que ele quer propor uma historia sobre pré-adolescentes, para o público pré-adolescente e, nesse quesito ele consegue se sair bem, abordando durante todo o filme vários temas como aceitação, dedicação e amizade, e mesmo que o modo como elas são colocadas na história seja bem piegas, funciona na proposta construída pelo diretor.

Resultado de imagem para socorro virei uma garota

Um dos grandes problemas no filme fica por conta do roteiro cheio de diálogos exagerados e artificiais, passando a sensação de que uma pessoa não diria algo assim em público, com reações impulsivas, caricatas e imaturas. Quando o filme começa a abordar temas mais pesados e interessantes, como, por exemplo, o modo como as mulheres são tratadas pelos homens, do ponto de vista de um homem, o roteiro cita essa abordagem em uma cena e não acaba desenvolvendo isso direito, começando e terminando esse tema em uma única cena.

Resultado de imagem para socorro virei uma garota

A maior parte do humor que consegue ser engraçado vem da Thati Lopes, que tem um humor físico muito bom, e que é demostrado quando sua personagem acorda no corpo de uma garota e fica se estranhando, e quando ela ainda não está acostumada em usar vestes femininas, além de ela também ter um bom timing cômico. Mesmo quando o roteiro entrega a ela piadas genéricas, ela consegue ter uma reação que condiz com a situação de forma exagerada, e que consegue ser engraçada. Já em termos de atuação, ela não convence muito, principalmente em cenas mais sérias, com exceção  do terceiro ato, em que ela melhora bastante em uma determinada cena dramática.

Resultado de imagem para socorro virei uma garota

A montagem é problemática, principalmente nas cenas que mostram as vantagens e desvantagens de Júlio ser uma garota, ao mostrá-lo vivendo sua vida de Júlia em sua interação com outras garotas que, devido à montagem, não consegue fazer com que o espectador compreenda totalmente a decisão dele de continuar ou não com essa vida. O terceiro ato apresenta um plot twist bem surpreendente, e que faz o público repensar a escolha de Júlia de continuar sendo uma garota ou não.

Resultado de imagem para socorro virei uma garota

Mesmo piegas, o filme ainda aborda bons temas, de modo em que o diretor foca em chamar a atenção do público entre 11 e 13 anos, mas que não vai despertar muito o interesse dos mais velhos. 

NOTA: 5 momentos desconfortáveis de garota. (5/10)

Trailer:




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …