Pular para o conteúdo principal

A Tabacaria, um dos últimos filmes com Bruno Ganz: para refletir sobre relações humanas e governos ditatoriais e fascistas



Meu primeiro contato com o trabalho do ator suíço Bruno Ganz, que infelizmente perdemos no dia 16 de fevereiro deste ano, foi com Asas do Desejo, de Wim Wenders, e fiquei apaixonada não somente pelo filme, que é um daqueles filmes da vida para vi, que já vi e revi e do qual nunca me canso e que nunca perde o encanto, em que ele é o Anjo Damiel. As palavras dele, de que me lembro, de um poema no início do filme, ainda ecoam em minha mente, com um quê de nostalgia, beleza e um marco na minha vida e na do ator também, que veio a interpretar, entre outros, o Papa, Hitler, em A Queda: As últimas horas de Hitler, os escritores Ezra Pound e Antoine de Saint-Exupéry, recentemente o personagem Verge, em A casa que Jack construiu, e, segundo o IMDB, temos/teremos ainda quatro filmes com ele, alguns em pós-produção. E, em A Tabacaria, do qual falarei aqui, ele é ninguém mais ninguém menos do que Sigmund Freud. 

Mas, antes disso, fiquem com a beleza de Damien (Bryno Ganz) lendo o poema que abre Asas do Desejo (Em inglês, Wings of Desire, em alemão, Der Himmel über Berlin - [O céu sobre Berlim], de 1987.


A A2 filmes vem trazendo belíssimos filmes europeus para nós nos cinemas (e também em DVD), e já falamos sobre vários aqui, mais recentemente da poesia cinematográfica que é A última loucura de Claire Darling. Também com muitos quês poéticos e oníricos, combinando bem com a fotografia e o roteiro e o próprio tema dos sonhos, A Tabacaria é baseada no romance bestseller internacional, infelizmente sem edição em português, The Tobacconist, de Robert Seethaler. É uma história singela e tocante e de partir o coração em vários momentos, sobre um jovem rapaz ingênuo e apaixonado e sua amizade com Sigmund Freud, durante a ocupação nazista de Viena. 

 

Não quero entrar no campo minado dos spoilers, mas quem é fã ou conhece um pouquinho que seja da série Six Feet Under (A sete plmos) vai provavelmente sacar a referência (que não sei se foi proposital ou não, afinal, já foi usada em outras obras também) em cenas específicas envolvendo o jovem Franz. 

Há sequências belíssimas de momentos de felicidade também, o que já citei quando falei sobre It - A Coisa, com ou sem desgraças, a vida continua e as pessoas (não todas) não sofrem o tempo todo. 

Mesmo com minha agenda corridíssima, não consegui ir á cabine de imprensa, mas fui à pré-estreia para prestigiar o ator, no papel de Sigmund Freud, e saí de lá não apenas com aquela mescla de quentura e dor no coração por saber que ele não está mais entre nós - talvez esteja como Damiel, nos observando pelo céu não só de Berlim como da Terra. Quem sabe... Mas a quentura no coração vem de ver o Bruno Ganz em mais uma atuação fantástica, com um Sigmund Freud e suas excentricidades, em um longa que aborda temas intimistas e ao mesmo tempo todo aquele fundo triste, lamentável e desumano da "chegada"  e dominação do nazismo, e também do Hitlerismo, termo que uso especificamente para me referir àquelas pessoas cegas, fanáticas ou más mesmo que o cultuavam como a um Deus. (Alguma semelhança, infelizmente, com nossa realidade do Brasil?)



Um filme "de época", de uma época bem sombria, com seus raios de sol e espirais de fumaça de tabaco que ainda pincelam com tintas fortes o filme, como a situação naquele momento histórico era ainda pior para as mulher. Terríveis. E alguns, senão vários, ainda dizem que não precisamos de feminismo. Aff! E também, mais uma bela obra que é um tapa na cara de quem defende tortura, ditadura e governos teocráticos. Lembrando que a Igreja Católica apoiava Hitler. Não precisamos de mais Hitlers. Precisamos de mais cultura, menos ignorância e mais discernimento. E A Tabacaria aborda isso tudo como plano de fundo (e de frente, e em vários momentos pesados também), e as relações humanas, pontuado por sequências bela e simbolicamente oníricas.

Nota: 5 charutos contrabandeados de Havana


Trailer:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…