Pular para o conteúdo principal

Ad Astra - Rumo às Estrelas: a nova ficção científica com Brad Pitt, Tommy Lee Jones e Donald Sutherland pode agradar a fãs de A Chegada e Interestelar




Ad Astra - Rumo às Estrelas segue a linha dos filmes que abrangem a temática de uma realidade futura para a humanidade.Reforça, como em outros filmes com a mesma classificação, como Interstellar, A Chegada e outros, as características inerentes aos seres humanos, que é o fator psicológico.


Traz à tona como os nossos sentimentos afetam as nossas escolhas.Tem um 'Quê' de humanidade, e não prevê um mundo futurístico no qual aqueles que ocupam cargos profissionais de grande influência para um todo sejam em sua totalidade desprovidos de empatia, como acontece em muitos filmes e séries Sci-fi.



Claro que o personagem principal da história é o que nos aponta valores que procuramos encontrar no próximo, e em nós mesmos, com toda a certeza, e ao meu ver, dialoga muito bem com o público masculino, pois enlaça e discerne até que ponto se vive no modo prático, executando tarefas, e quando se deve pensar nas questões emocionais profundas, que por muitos homens, são negligenciadas (segundo pesquisas de porcentagem de taxa de suicídios*).



O ser humano ainda precisa respirar, conviver e estabelecer sim, conexões reais para "nutrir" o seu complexo sistema operacional, o que o filme não "soluciona", e sim se curva para essas questões.

Altamente recomendado assistí-lo em uma tela IMAX, e focar a sua atenção na fotografia e na mixagem de som.

Nota: 4 estrelas desconhecidas (4/5)

O subtítulo traduziu o latim: Ad Astra quer dizer isso mesmo: Rumo ás estrelas

Trailer:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …