Pular para o conteúdo principal

#DVD #HomeVideo - Ring (Ringu) - O Chamado - e a fúria de Sadako



Você já deve ter ouvido falar em O Chamado, mesmo que na versão americana. No entanto, é uma quadrilogia de filmes japoneses, sendo o primeiro de 1997. Eu já tinha visto esse filme lá pelos idos de 2014, e confesso que é apavorante. Mas não é seu típico filme de teror ocidental, mais especificamente norte-americano, como o remake. Tem muito mais camadas nessa história do que se pode pensar a princípio. Terminei de rever o primeiro e mal vejo a hora de ver o segundo... 



O original japonês tem as mortes de adolescentes que assitem ao fatídico vídeo  e têm morte horrendas em 7 dias. Apesar de algumas cenas, sim, horripilantes, o terror aqui é mais psicológico. Asakawa pede ajuda a seu ex-marido depois de, grio meu saber que os rumores são verdadeiros, mas, se uma coisa é bem clara, como vemos no primeiro episódio da série Black Mirror,  é que o ser humano é curioso e adora desafiar o perigo. Então ela vê a fita, mostra pro ex-marido, faz cópia, o filho vê, é uma desgraça só. A propósito, Premonição 3 super se apropriou do lance dos rostos borrados nas todos, que é de Ring. 


Acho a história de Sadako bem mais aprofundada do que a de Samara já logo no primeiro filme, mas pelo que pude ver nas sinopses dos outros, será explorado ainda mais. Apesar de uma cena belísima entre Sadako e Asakawa, a maldição continua. 



Nâo vou entrar mais em detalhes para não estragar toda a história para quem não conhece ainda o original japonês. Super recomendo, mas, antes de dar minha nota... Vou falar um pouquinho sobre o que é Sadako. 

A história original é de uma light novel, teve mangá depois e quadrinhos americanos também.

Yūrei são seres sobrenaturais que passaram por algum tipo de mudança, do reino natural para o sobrenatural. 

Contudo,  yūrei diferem do tradicional  bakemono devido a sua especificidade temporal. São algumas das poucas crituras na mitologia japonesa que têm um horário predileto para assombrar. 

Yūrei tenem a ter um propósito específico para assombrarem, tais como vingança ou negócios incompletos. Alguns  yūrei, como os Okiku, continuam presos 'a terra porque n~so é possível completar seus negócios não resolvidos. Isso significa que seu espírito nunca poderá encontrar paz e assim permanecerá sendo um  jibakurei.
Só por essa explicação toda, é bem mais claro para mim que a história funciona mais no original japonês. Não se trata apenas de um mero espírito vingativo.  

Em breve eu volto para falar sobre Ring 2, pois o final do primeiro é super mega "me dá logo o segundo que preciso ver".

Nota: 5 punhados de cabelos putrefatos tirados de um poço
 Trailer:




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …