Pular para o conteúdo principal

Momento blogueirinha: idas a alguns cinemas que... - uma franquia de terror da vida real (com "bônus" sobre um supermercado e um restaurante)



Eu ia colocar tudo junto nessas crônicas dos meus Momentos Blogueirinha, mas vou dividir por partes, super como Jack, o Estripador. E então eu vou começar com uma história de terror: minha primeira vez no Playarte do Shopping Plaza Sul. E vocês verão como às vezes nos enganamos com um pré-conceito. Super bem atendida no Cinépolis do Shopping JK Iguatemi, mas...

... na Playarte do Shopping Plaza Sul, socoooorrrrro, tirando um rapaz supersimpático e que até ficou aparentemente indignado com a dificuldade dos funcionários em realizarem uma tarefa simples, inclusive do gerente, de simplesmente trocar meu voucher, que ganhei na promoção deles, segundo o que estava escrito no site E na bilheteria, todos os funcionários me atenderam mal. 

Um deles ainda disse que eu tinha de ler o que estava escrito no site. Um insulto, como se eu não soubesse ler, por acaso? Ainda falei, eu sei ler, e eu li e está escrito isso na bilheteria também. Isso foi com a pipoca. Porque com o ingresso, ficaram falando que eu tinha de ir com acompanhante, nada do que estava no site. Enfim, quase meia hora depois, peguei o raio do ingresso. 

E, como falei, teve o lance da pipoca. Que eu tinha direito ao bacon e tal pelo cartão fidelidade. Mas parece que quem não sabe ler não sou eu. Enfim, achei que estava claro, mas a minha pipoca veio sem bacon. Falei, o filme já começou, vou entrar na sala e quero minha pipoca. Com bacon. O menino que praticamente disse que eu não sabia ler (mesmo que não usando essas palavras, não só sei ler como entendo entrelinhas) disse que levaria a pipoca para mim na sala. 

Entrei, já tinham começado os trailers. Gosto de ver os trailers. 2 trailers depois, nada de pipoca. Acreditam que tive de sair de novo e falar, dessa vez para uma moça, que ele não levou pipoca até a sala? Logo depois levaram, eu já estava ficando com meu humor abaixo das temperaturas do Alasca no inverno. 

Aí veio a porcaria do porta-copos. Sei lá quem fez o design péssimo daquilo, não suporta o copo de refrigerante de 1 litro, fica bambo, começa a vazar o refri... Aff, né? Lá vou eu pegar meu copo de plástico com canudo que por sorte estava na bolsa. Só que não era de um litro, era de 500 ml. Imaginem que legal ficar pegando o copo grande no chão e enchendo o outro... nem atrapalha ver o filme, imagina. A pipoca com bacon deles é uma delícia, mas nenhuma delícia vale tamanho stress. Se volto lá? Ainda não decidi. Mas se voltar, talvez imprima esse post aqui e mostre para o gerente. Hummm, boa ideia 😊

Ah, gente, tem mais... pra que uma porcaria de cartão fidelidade se os funcionários agem assim, como se estivéssemos pedindo esmola? E são tão desinformados? Poxa, em várias unidades da Cinemark, eles dão brindes pra quem tem o cartão Cinemark mania até quando a gente vai ver filme com ingresso cortesia!!! Ás vezes, como já aconteceu no Cinemark Santa Cruz, eles tinham tanto brinde de sobra que deram uma necessaire cheia de brindes. E as salas são ótimas, né, mesmo as mais simples, pelo menos em todas as unidades do Cinemark a que já fui. Já estamos no dia 4 de setembro e vejam que lindeza, só que não, as novas “promoções” do Cartão Fidelidade da Playarte.



 
Antes que falem que é por causa do AdBlock, eu desativei momentaneamente para ver se mudava algo. Não, a mesma informação fantasma e/ou escrita em tinta invisível. Triste isso. 

Ainda bem que o filme era Yesterday, sobre o qual já falei aqui e lavou a minha alma. 

Ainda pretendo ir ao Splendor e a outras unidades do Playarte, e, apesar de eu não curtir as salas do Playarte Bristol, pelo menos todos que me atenderam foram uns fofos, tanto na bilheteria como na Bombonière.  

Mas vejam só os brindes da semana (e não um por mês...) da Cinemark, que fofura! <3


PS.: Sobre o Mini Extra. Tem uma promo linda de selinhos que ganhamos de acordo com o valor de nossas compras, mas alguns produtos dão selos a mais. Só resumindo, a malcriada da caixa ficou batendo boca comigo e, me digam, se está escrito x, o que vale é x, não y. Não precisa ser advogado pra entender essas regras. Basta saber ler. Foi pior que na Playarte porque ela gritou e bateu boca comigo, gente! Aê falei que ia reclamar no SAC mas dela, e não da promoção, porque ela trabalha lá, está escrito nas regras o lance dos selinhos e se não me desse (e que não era nenhum favor), eu devolveria TODAS as compras e pegaria meu dinheiro de volta. Ela me deu os selos, mas continuou berrando lá sozinha. O que me lembrou também que, na Vivenda do camarão no Shopping Cidade São Paulo, pedi uma espécie de escondidinho de camarão e era de peixe. Tinha até espinha! Chamei o rapaz e ele teve a pachorra de me dizer que aquilo era de camarão. Pedi meu dinheiro de volta e disse que não era, e que detesto peixe. Nossa, acho que dá pra fazer uma coluna semanal desse jeito sobre o desgosto do atendimento lixo de alguns (muitos) lugares. 



E, nesse momento fecho os olhos, e me lembro de como fui bem tratada no Shopping JK Iguatemi. O que fica para um outro "momento blogueirinha" por Ana Death.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …