Pular para o conteúdo principal

O Massacre de Peterloo – Mas, afinal, o filme "Peterloo" é bom?




Após a vitória dos ingleses diante das tropas francesas no episódio que ficou conhecido como Waterloo, outro fatídico episódio ficou muito conhecido na história inglesa por mostrar a barbárie de homens com algum tipo de poder contra civis, o que culminou no Massacre de Peterloo ou como ficou mundialmente conhecido Massacre de Manchester.

Ocorrido em St. Peter’s Feld, Manchester na Inglaterra, em 16 de agosto de 1819, quando a cavalaria avançou contra uma uma multidão de 60.000 a 80.000 pessoas reunidas em um protesto pacífico para buscar a reforma da representação parlamentar e o voto universal. Esse é o tema central de filme que estreou noscinemas tupiniquins no dia 12 de setembro de 2019. O longa conta com 2 horas e 35 minutos e mostra como se deu o massacre que dá nome ao filme. Mas para contar sobre o filme, primeiro terei que falar da época em que ocorreu o incidente.



Ao fim da Batalha de Waterloo ou das Guerras Napoleônicas, em 1815, o Reino Unido passou por períodos de desemprego exagerados provocado pela aprovação de leis como as “Leis dos Cereais”. Logo no começo de 1819, a pressão gerada pelas condições econômicas ruins o que no filme é salientada nas cenas do núcleo central da família do soldado Joseph, em que a mãe vende torta no mercadinho por um centavo e numa passagem de tempo, fica evidente que houve inflação. Isso só mostra o por que do aumento do apelo ao radicalismo politico associado à falta de sufrágio a noroeste.
É a partir de reuniões que é mostrado a adesão dos civis à causa, além da criação da Sociedade Feminista Reformista de Manchester, uma associação que andava lado a lado com os ideais mostrados pela União Patriótica de Manchester, que organizou uma manifestação que contou com a participação do famoso orador e ativista Henry Hunt. E é nessa manifestação que a cavalaria ataca os civis.


Sobre o filme!
Peterloo é um filme longo como já dito acima, que tem muitos erros no seu tom, é lento nas suas duas primeiras horas, apesar de uma cena ou outra se destacar, por essa cadência acaba ficando arrastado e só quando o último ato começa que tem seu ápice. Pois apesar do ritmo lento das primeira e segunda partes, torcemos para os personagens de maior destaque como Henry Hunt.


Apesar da lentidão, o filme faz o que se propõe a fazer que é contar uma história baseada em fatos errados mesmo que por vezes choque o público com cenas que contenham sangue. Outro detalhe que destaco aqui é a trilha sonora, que também serve como passagem de tempo e o tom de poesia que é mostrado durante as falas dos personagens.
Apesar desses pontos Peterloo é um filme de que eu gostei, mesmo que seja uma trama que funcione melhor na Inglaterra, vale a pena assistir pela história. Dito isso..

Nota: 4 cavalos usados por "humanos"  para ir para cima de protestantes pacíficos




Texto por: Lucas Mello 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …