Pular para o conteúdo principal

O que há de real por trás de Midsommar: Parte 1: As Runas



Como disse o Bruno na crítica dele, Midsommar parece ser inspirado em várias coisas, desde Colheita Maldita a Hannibal (a série especificamente). Mas eu vou falar da parte que existe na realidade e que foi incorporada e/ou alterada no filme.

Aqui abundarão spoilers, então, se você ainda não viu o filme, aconselho que leia a crítica dele sem spoilers aqui. Bem, o aviso foi dado.

Filmes e livros sobre seitas bizarras existem de monte por aí. O que torna Midsommar tão diferente e/ou especial? Bom, eu acho que o filme é overrated, que se fosse mais curto e se aprofundasse nos personagens secundários, eu realmente poderia ter gostado do filme – eu não o odiei, ok? Apenas não acho tudo isso de divino que estão falando por aí. Para mim esse posto ainda é ocupado por Mãe! Simplesmente porque pode ter várias interpretações, embora o diretor discorde dele (e que se dane, perdeu o Oscar por ser babaca). Antes de falar da mitologia real por trás do filme, ainda gostaria de dizer que eu também gostaria que Midsommar tivesse mais camadas, mas, pelo menos para mim, acabou se resumindo no final ‘a vingança de uma namorada frustrada com o relacionamento e o cara acaba sendo sacrificado de uma forma grotesca (e o coitado do urso também) e ela fica feliz com isso. E volto ao que falei quando analisei a letra de Du Hast do Rammstein: por que as pessoas precisam matar ou levar à morte seu/sua parceira? Já pensaram em terminar o relacionamento pacificamente? E me perturba muito a declaração do diretor de que fez um filme após um fim de relacionamento. Para refletir.



Enfim, as runas.

Para a conveniência do roteiro, um dos personagens americanos é um aluno de antropologia que estuda rituais escandinavos. No vestido que dão a Dani, há as runas Raido e Dagaz. 


Raido significa, literalmente, carroça ou carruagem. Representa viagem, seja física ou em termos de mudanças de estilo de vida. 

Dagaz significa, literalmente, alvorada, dia. Refere-se ao mais básico de todos os ciclos: noite e dia. Um lembrete da natureza cíclica de todas as coisas. O que se ergue deve cair. O que aumenta deve diminuir, é a rua do despertar. 



Só que Raido está em espelho, e Dagaz não está na horizontal, e sim na vertical. Só para ter uma ideia, o lado positivo de uma runa pode se tornar negativo se ela cair invertida em uma leitura. E aqui o diretor optou por “criar” runas “tortas” a partir de algo existente.

Ou seja, os símbolos sagrados foram corrompidos. Tal como aconteceu com a suástica nazista. 



 

As runas tinham não somente a função de alfabeto como também de predizer o futuro. Com essas duas runas no vestido de Dani, fica bem óbvia a referência, não? Não a princípio, pois nem todo mundo que verá/viu o filme é um estudante de antropologia focado em mitos nórdicos e/ou estudante da antiga religião pagã que resistiu até o século 12. 

Younger Futhark

 
Elder Futhark
 
Runas Anglo-Saxônicas
Não vou me aprofundar demais nesse ponto, afinal, isso daqui não é uma tese de mestrado 😉 Mas, se quiserem “brincar”, eis um site que explica basicamente o significado de cada runa. Aí dá para ler e interpretar aquela pedra também. 


Essa é a parte 1, em que me foquei nas runas.

Não por conveniência, rs, nem por coincidência, pois não acredito nisso, sou estudante da cultura e do paganismo nórdico. Também conheci suecos, finlandeses e noruegueses quando era da imprensa musical. Até mesmo tive parte do Kalevala cantado para mim por um norueguês <3 E ouvi sobre a cultura deles por eles mesmos. :)

Porém, antes de me despedir de vocês (volto outro dia com mais curiosidades sobre o que há de real por trás de Midsommar), devo dizer que aquele feitiço com o pelo pubiano (ai, que nojo!) sim, existe.


 Curiosidade extra: Kiefer Sutherland tem uma tatuagem em runas que diz: "I trust you to kill me" (Eu confio em você para me matar.)



Também estudei um pouco de sueco, e assim me despeço: Vi ses!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…