Pular para o conteúdo principal

Rambo até o fim: Vale a pena? E quem não viu os outros, pode ver esse e ainda curtir?



Rambo até o fim (em inglês, Rambo:Last Blood) é o quinto filme e que encerra a franquia de sucesso de Sylvester Stallone, que teve início em 1972, e o título de Rambo em inglês era First Blood (e aqui ficou Rambo - Programado para matar). 

O longa é o primeiro da recém inaugurada produtora de Stallone, a Balboa Productions. Nele temos o Rambo bem mais velho, vivendo com sua amiga e ajudando na criação de sua filha adotiva. Em busca de saber mais sobre seu passado, a menina vai para o México em busca de seu pai e acaba nas mãos de um cartel mexicano que trafica mulheres.

É então que nosso querido Rambo entra em ação, furioso e com sangue nos olhos (First Blood - Primeiro Sangue/Last Blood -- Último Sangue) para salvar sua filha. Rambo vai para o confronto com o cartel.(quem ganha?). 



O filme é divertido e bastante violento, bem gráfico, mantendo todos os elementos que adoramos ver em Rambo. Nesse filme especificamente, Stallone dá a seu personagem aquele tom de soldado que já este cansado de lutar, mas que não consegue tirar as imagens do que viveu de sua cabeça. 

Então temos, obviamente, alguns flashbacks dos outros filmes [o que é bom para aqueles que vão veer o "último sangue"  sem terem visto algum ou nenhum dos anteriores. 

Rambo até o fim tem uma narrativa ágil, o que ajuda muito, porque você nem sente muito o tempo passar. No geral, é um filme bom, com um final lindo para os fãs de Rambo.


No entanto,  o que me surpreendeu foi que, apesar de ser um filme que fecha uma saga, este mesmo filme pode perfeitamente ser visto por uma pessoa que nunca viu outro filme do Rambo. Com sabor de nostalgia, certamente é um filme que pretendo assistir de novo. 

Minha nota para o filme são 3,5/5 balas!

Enzo Medeiros



 Mas não é só isso... Vejam as fotos/os desenhos a seguir e tirem as conclusões por si só ;)







Ana invadiu aqui para mostrar as semelhanças entre Lunga e Rambo <3
Se ainda não viu, veja Bacurau!

Trailer:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …