Pular para o conteúdo principal

VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHO! Setembro Amarelo ensinando a salvar vidas!


Alguma vez você se sentiu sozinho e encurralado? Como se tudo o que fizesse não servisse para nada, como se fosse uma falha e, apesar de seus esforços, nada desse certo? Já se sentiu um peso para as pessoas próximas e achou que a vida nunca faria sentido ou te traria mais sofrimento do que prazer? Já sentiu apatia, como se o misto de emoções que sempre fizeram parte de você fossem tão intensos que, em algum ponto, apenas deixaram de importar?




A desesperança aparece de repente. Num belo dia você é feliz e tudo está dando certo. Está rodeado de pessoas que te amam, amigos que te fazem rir, um bom emprego e reconhecimento. Então, algo ruim acontece. Você perde seu emprego. Um ente querido morre. Seu parceiro decide que aquele relacionamento não faz bem. Talvez nada aconteça. Talvez você apenas acorde e se assuste com o fato de que aquilo que você vive não te dá mais prazer. É uma realização súbita para alguns e um desprazer cumulativo para outros. Não importa o que aconteça, em um momento de grande desespero podemos dar fim a tudo de bom e maravilhoso que ainda não vivemos. Foi pensando na importância de falar sobre esse tema tão delicado que é o suicídio que o Centro de Valorização da Vida (CVV), o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) criaram a campanha Setembro Amarelo.

O suicídio faz parte da história da humanidade e seu significado é diferente em cada cultura. O primeiro suicídio conhecido data de 2500 a.C. na cidade de Ur, onde doze pessoas beberam veneno e esperaram pela morte. Para os esquimós e os vikings, o suicídio era um ato heroico, que abria portas e acumulava glórias na pós-vida. Os astecas cometiam suicídio em atos de fé, oferecendo a si mesmos para seus deuses. Foi apenas com a disseminação da fé cristã que, no século V, Santo Agostinho e o Concílio de Arles definiram suicídio como um ato repudiável perante os olhos de Deus e da Igreja, separando os corpos de suicidas dos demais e os exibindo publicamente.



Deixando de lado as curiosidades sobre o suicídio e o que qualquer religião possa dizer sobre ele, sobre o que acontecerá com quem acabar com a própria vida e sobre como terão de lidar com isso do outro lado, o que realmente importa é o que fazemos para que as pessoas que amamos se sintam acolhidas. 

Como você cuida de sua família e amigos e, acima de tudo, como cuida de si mesmo?

A OMS definiu o dia 10 de setembro como o Dia Mundial da Prevenção do Suicídio e, por esse motivo, as organizações brasileiras definiram setembro como o mês de prevenção do suicídio. A escolha da cor amarela tem origem nos EUA, em 1994, quando um jovem de 17 anos chamado Mike Emme, após restaurar um Mustang 68 e pintá-lo de amarelo, cometeu suicídio. Ninguém próximo a Mike percebeu os sinais. Para homenageá-lo, os amigos fizeram 500 cartões com fitas amarelas e os colocaram em uma cesta no dia de seu funeral com a seguinte mensagem: se precisar, peça ajuda.



Falar sobre suicídio ainda é um grande tabu. Muitas pessoas não sabem lidar com o assunto e têm medo de que falar sobre acabe incentivando alguém em sofrimento a cometer o ato, mas é exatamente o contrário. A escolha das palavras é importante, mas, ainda mais importante, é que a pessoa que está passando por problemas saiba que tem com quem contar, que não é um peso e que pode confiar em alguém que tente entender seu sofrimento. Alguns sinais de alerta são:


·         Isolamento;
·         Mudanças marcantes de hábitos;
·         Perda de interesse por atividades de que antes gostava;
·         Descuido com a aparência;
·         Piora no desempenho nos estudos ou trabalho;
·         Alterações no sono e apetite, além de uso de frases como “preferia estar morto” ou “queria desaparecer”.

Como alguém que já percorreu essa estrada, posso dizer que é difícil encontrar até mesmo profissionais que se importem com nossos sofrimentos ou saibam minimamente o que fazer para nos confortar. Os tratamentos são difíceis e muitas pessoas os tornam ainda mais dolorosos, com medicamentos errados, palavras de julgamento e críticas infundadas. Infelizmente, muitas vezes são as pessoas mais próximas que nos fazem sentir mais desamparados e envergonhados de quem somos. Por isso, desejo que não apenas esse mês, mas em todos os meses você possa se amar e amar as pessoas que percorrem uma estrada diferente da sua. Acima de tudo, saibam que:




·         Na maioria das vezes, as pessoas dão sinais e indícios de que pensam em acabar com a própria vida. Preste atenção a esses sinais e às mudanças de comportamento de quem ama. Deixe que saibam que não é trabalho algum para você estar ao lado delas e que podem sempre contar com você;
·         Você não deve falar de suas experiências pessoais, religião ou o que pensa sobre o suicídio. Apenas ouça e console, sem julgamentos. Uma pessoa que pensa nisso está desesperada e precisa de apoio e segurança, não de seu parecer sobre o assunto;
·         Ninguém quer chamar a atenção falando de suicídio. Vocês podem imaginar como essa ideia é prejudicial às pessoas em sofrimento? Se alguém fala disso para você é porque confia em você para ajudar nesse momento tão difícil e precisa de ajuda;
·         Não existe um perfil suicida. Infelizmente, pode acontecer com qualquer um em sofrimento extremo, por diversos motivos. Por isso, fique atento e apoie as pessoas a sua volta.




Lembre-se que sempre vai existir uma luz no fim do túnel e que você não precisa tomar medidas drásticas para acabar com a dor. Cuide de si mesmo, cuide das pessoas a sua volta e trabalhe diariamente seu amor próprio. Existem diversos links na internet para atendimento gratuito e aconselhamento psicológico e sites com mensagens inspiradoras e informações sobre diversos transtornos psicológicos, como o Pinterest e o próprio YouTube. Busque conforto, autocuidado e coisas que te lembrem o que realmente é valioso na vida. No fim da jornada, você será imensamente grato por ter persistido.


https://ufrn.br/imprensa/materias-especiais/9565/a-vida-vale-ouro-setembro-amarelo-aborda-valorizacao-da-vida-e-combate-ao-suicidio


Fontes:

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE.  Prevenção do suicídio: um manual para profissionais da saúde em atenção primária. Genebra, 2000.
 
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE MENTAL, TRANSTORNOS MENTAIS E COMPORTAMENTAIS. Genebra, 2000.

PESQUISA SOBRE A HISTÓRIA DO SUICÍDIO. Disponível aqui.

SETEMBRO AMARELO - PRECISAMOS FALAR A RESPEITO. Disponível aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …