Pular para o conteúdo principal

A Luz no fim do mundo, um filme pós-apocalíptico em um mundo quase sem mulheres



O filme A Luz no Fim do mundo, cujo título original  é " Light of my Life",  estrelado  e dirigido por Casey Affleck, em sua primeira vez como diretor, interpreta um pai  viúvo que busca amenizar a situação para com sua  filha Rag (Anna Pniowsky), contando histórias para sua filha dormir e, como todo pai, apresenta uma enorme dificuldade na criação da história, o que traz uma lentidão ao primeiro ato.
Durante a viagem pela floresta, pai e filha vão se deparando com dificuldades e eventuais intromissões de pessoas que dão a entender que querem raptar  a menina. Com os desenvolver da trama, em dado momento descobrimos um holocausto feminino causado por um vírus que aniquila a população de mulheres, e Rag acaba sendo uma das únicas a sobreviver. Por isso, a menina tem os cabelos cortados e é apresentada pelo pai a todos como se fosse um menino.

Nessa parte, lembra um pouco passagens de Bird Box, com temática que nos remete ao foco principal do holocausto, criança, pai, mãe, preocupação em amenizar a situação e treinar para eventualidades...

Affleck não tem interesse em explicar as origens ou circunstâncias da crise, e o longa começa com a menina  já  aos nove anos, depois da catástrofe. Não há explicações científicas para tal catástrofe nem menção a sua origem, o que acaba ficando a cargo da imaginação do espectador. Não há muitas surpresas durante a trama, apenas análises e flashbacks da vida quando a esposa do protagonista ainda era viva.


O que o filme faz bem é nos instigar a analisar o que seria do mundo sem mulheres....no filme a ideia é demonstrada por homens que se tornaram ferozes predadores em busca da caça (mulheres remanescentes),religiosos, solitários, e cada um a sua maneira perdido, sem lastro. Não diria que chega a enaltecer o feminismo, mas dá uma boa chamada ao pensamento.
O foco nos dois atores principais, pai e filha, com extensos diálogos - o que traz certa morosidade ao filme, porém muito bem interpretados - mostra a audácia de Affleck em se arriscar num drama nostálgico e aflitivo em sua primeira direção no cinema.

Nota 3 caixas de fósforos, devido aos extensos diálogos que deixa o filme lento.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…