Pular para o conteúdo principal

Amor em Jogo, um filme de Shay Kanot



A produção judaica Amor em jogo (título original Goal/Kicking out Shoshana) chega hoje nos cinemas no Brasil, e trata-se de uma comédia romântica em que a atenção está na protagonista, a atriz Gal Gadot, de Mulher-Maravilha, por ser a única do elenco conhecida no mercado internacional. 

Na conservadora cidade de Jerusalém, o artilheiro  de futebol  israelense Ami Shushen (Oshri Cohen) é pego  pelo chefão da máfia flertando com sua amada e o obriga a fingir que é gay para que não sofra sendo decapado. 


Pelo fato de ter assumido publicamente a posição de homossexual, Ami é repudiado pelos jogadores e torcedores do time, os quais são machistas ao extremo, mesmo assim Ami acaba caindo nas graças da comunidade gay do país e também das mulheres. 

Daí em diante ele é convidado a ser uma espécie de representante da classe LGBTQ+ e, nas suas confusões, acaba lucrando com isso.

A comédia toca nessa temática de uma forma estereotipada e caricata que não cabe mais na leitura atual, porém é fruto do atraso de cinco anos em seu lançamento (que foi lançado em 2014) e só agora chega ao Brasil, o que causa uma certa divergência de pensamentos quando se toca nesse tema que atualmente é tratado com mais empatia.



Tem-se a impressão de que houve a intenção de unir três mundos diversos: futebol, homossexualismo e religião por pegar uma cidade como Jerusalém e abordar este tema.

Comédia leve sem muitas pretensões 

Nota 2 bolas dentro - [2/5]

Trailer:

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …