Pular para o conteúdo principal

Honeyland, um documentário belíssimo de como a solidão não nos deixa enxergar a maldade alheia




Este filme é uma composição artística de luz e sombra, com uma paleta de cores e belos enquadramentos, com mixagem de som e uso de câmeras que em seu todo contam a história, em conjunto com o roteiro e a atuação dos personagens de maneira divina!



Em uma vila isolada na Macedônia do Norte, Hatidze, uma mulher de seus 50 e poucos anos, cuida de uma colônia de abelhas. Próximo a sua casa, em uma pedreira, ela constrói um pequeno apiário. Ela de vez em quando vai 'a vila vender o mel e também o usa para consumo próprio .
Num belo dia, uma família itinerante se instala ao lado de sua casa e o reino pacífico onde Hatidze vive se torna infernal. Dando espaço a motores barulhentos, sete crianças e uma centena de vacas, mesmo assim Hatidze se anima com a vizinhança barulhenta, pois há anos vive sozinha com sua mãe idosa e senil, e passa a dividir conselhos sobre apicultura, se afeiçoando a eles e principalmente a um de seus filhos, a quem ela enxerga como seu fosse seu filho, já que nunca teve um marido, mas sempre teve desejo de ter filhos.


Um belo dia, Hussein, pai das crianças, patriarca da família, ambicioso e egoísta, toma algumas decisões que desencadeiam uma quebra no cotidiano, na paz e no modo de vida pacato de Hatidze.
Vencedor do Grande Premio do Juri da seção World Cinema de documentários no Festival de Sundance e indicado da Macedônia para concorrer ao Oscar de Melhor Filmes Estrangeiro é maravilhoso em sua construção.
No fim, ficou a mensagem de que a cobiça de um acaba por ser a pobreza do outro e também o quanto a solidão nos faz não enxergar a maldade do outro, já que, todos nós queremos ser amados.

Trailer:

 
Filme visto na 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Veja a programação da Mostra aqui.

Texto por: Giovanna Landucci 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …