Pular para o conteúdo principal

Luta de Classes, uma dramédia francesa lotada de críticas e reflexões

Não sei se Marx teria ficado muito feliz com o nome desse filme, Luta de classes. Imagino que ele teria rido no primeiro momento, afinal, é um ótimo trocadilho, mas pensando em todos os seus anos de pesquisa sociológica e comparando com as críticas desse longa, talvez ele fosse ficar um pouco decepcionado.

É claro, não vamos começar já apontando defeitos. É um bom filme, no final das contas. Com o clássico humor francês, as piadas são um alívio cômico, mas sempre temperadas com uma pequena alfinetadinha de crítica social. Algumas são BEM perceptíveis, até talvez um tanto quanto clichês, e outras tão sutis que podem passar despercebidas na hora. Mas uma coisa é certa: independente da maneira como são apresentadas, todas as críticas desse filme são muito atuais e necessárias.


Michel Leclerc conta a história de um casal um tanto quanto diferente. Sofia é uma brilhante advogada familiar e Paul, um músico que teve seus dias de fama há muito tempo, ambos super contra o sistema e politicamente conscientes e críticos. Eles e seus 2 filhos se mudam da capital parisiense para uma cidade na banlieue (região das pequenas cidades ao redor de Paris), onde Sofia cresceu, e um tempinho depois, os únicos amigos do seu filho, Corentin, saem da escola pública para entrarem em uma particular.

A crítica é clichê e escancarada, o que não a torna menos importante: Corentin acaba se tornando o único branco da sua classe (como dizem no filme) e logo começa a se sentir excluído e até afrontado pelos colegas. Em uma clara troca de valores, o “branco europeu” se torna a minoria e os pais não sabem como lidar com isso. Assim, cada um reage de uma maneira, a Sofia ensinando ao filho a ser compreensivo e passivo, já Paul, o mais rebelde entre dos dois, fala para o filho se impor e demandar respeito, que assim os outros coleguinhas irão o respeitar. O casal então tem que enfrentar um grande dilema entre suas convicções políticas e seus interesses pessoais de dar o melhor para o seu filho. O filme acaba mostrando diversos conflitos diferentes que esse principal traz, como o embate entre os pais ao quererem ensinar princípios conflitantes ao filho e até uma crise amorosa e familiar. 



Leclerc se mantém na sua linha de comédias sociológicas, como Os Nomes do Amor (2010) e Anos Incríveis (2012), ao mostrar a hipocrisia de um “burguês da esquerda”, focando bastante realmente na crítica social que segue o filme inteiro, mas sem se focar e nem tentar dar mais profundidade aos personagens. Várias ideias e situações são introduzidas ao longo do filme, mas não são desenvolvidas e a maioria, nem resolvidas.

Luta de Classes é uma dramédia divertida e gostosa para ver quando a gente não quer pensar tanto ou sair pesado do cinema. Mas, ao mesmo tempo, várias críticas pertinentes são levantadas como xenofobia, racismo e bullying. Nesse quesito, ponto para Leclerc! Mas no final é isso: um filme leve, para dar umas risadas e indicar para aquele seu amigo que é contra refugiados, só para fazer brotar uma sementinha de empatia na cabeça dele que você poderá regar para ele finalmente parar de olhar para o próprio umbigo e entender que o mundo é um lugar para todos e devemos respeitar todos os tipos de cultura, etnia e religião.
Nota: 3 risadinhas [3/5]

Trailer:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …