Pular para o conteúdo principal

Mataindios, um confuso filme peruano




 Um filme de arte, em sua maior parte em preto e branco e completamente abstrato, em que não se consegue compreender para onde o roteiro te leva e o que foi dito nas cenas, que têm poucas frases e interações entre personagens e muito mais simbologias mal construídas.

O foco maior da câmera é nas mãos, no laboral, nos objetos de trabalho e os planos abertos reservados para as cenas onde se tem paisagem.

Um filme em 360 graus que termina exatamente onde começou, em uma cena em que, apesar de a imagem ser diferente, o plano é o mesmo, a câmera filma por uma fechadura o que está por detrás dela, como se observasse o que os moradores daquele pequeno vilarejo fazem.

Os habitantes de uma vila no Peru organizam um festival em homenagem ao santo padroeiro da cidade que, segundo a sinopse do filme, tem a finalidade de acabar com a dor causada pelo desaparecimento de vários parentes, acreditando que se o santo estiver satisfeito, o local poderá pôr um fim a seus anos de luto.

O filme transita entre festas e bendições e lamentos, e os moradores cantam “A celebrar-te viemos, a celebra-te viemos, santo padroeiro, luz da sua bondade nos guiará”. Mas, apesar de toda a festança da vila, percebemos pelo uso de cores, filtros, da câmera acinzentada, que a vida deste povoado não caminha com o mesmo ânimo de sua canções e festejos.


Dividido em capítulos como um livro, o que deixa a história mais lenta, contemplativa, este filme realmente não consegue vender seu significado ao público, mas mostra fielmente uma menção religiosa como se a fechadura fosse os olhos de Deus ou deste Santo que eles contemplam, vigilante e julgador, ou apensas, observador das reações deles perante os acontecimentos.

Filme visto na 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Veja a programação da Mostra aqui.

Texto por: Giovanna Landucci

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…