Pular para o conteúdo principal

Os 3 infernais, um filme de Rob Zombie


Os 3 infernais, um filme de Rob Zombie. Bem, essa dica vai para... Como começar? Se você não nutre um ódio (secreto ou assumido) pela Humanidade de modo geral, esse filme talvez não seja para você. Se você é supremamente pacifista e não gosta de nenhuma forma de violência, talvez seja melhor ficar com algo estilo Ursinhos Carinhosos, bem fofinho e leve e de bem com a vida. Mas, se você já é fã dos filmes do Rob Zombie, se você se sentiu (ou não) mal por ter curtido aqueles psicopatas, e em algum momento, até ter ficado do lado deles e com dó deles (mesmo que eles não mereçam), bem, esse filme muito provavelmente seja para você. Se você ri com cenas de gore e violência gratuita, deixando seus amigos até meio sem graça ou você mesmo(a) se sentindo um tanto quanto inadequado no cinema, bem, muito provavelmente esse filme é para você. Se você curte deixar seu lado psicopata se divertir com cenas mórbidas, ainda que altamente engraçadas, nas telas, eu super recomendo esse filme. É um festival de sangue, cenas macabras e, ainda que "mais leve" do que seus antecessores A casa de mil corpos e Rejeitados pelo diabo (meu predileto e de muitos da franquia), Os 3 Infernais não desaponta e a "diminuição" na violência gratuita e nas cenas gore não torna esse filme, de modo algum, ruim.

 Se você se encaixa no público-alvo deste filme, mas nunca tinha ouvido falar da franquia e quer ver Os 3 infernais [afinal, o primeiro longa é de 2003, e Rejeitados pelo diabo, de 2005], eu recomendaria assistir a esses dois primeiro (ou rever, se você já é fã), para saborear ainda melhor essa nova "aventura" da família Firefly. Mas, se você não conseguir fazer isso, ainda assim pode curtir Os 3 infernais, pois há um longo flashback no início, que situa o telespectador em relação ao que aconteceu antes com nossos Rejeitados pelo Diabo. 

Não espere uma história de redenção nem nada do gênero. Se em Rejeitados pelo Diabo, ao ver como a polícia brutal usava praticamente os mesmos horríveis métodos dos criminosos, ficávamos com um pouco de dó deles, aqui, não. Eles são e estão assumidamente dementes e fica bem claro que eles não se arrependem de nada que fizeram e fazem ainda mais. Para morrer, ou ter sua pele arrancada, basta estar no caminho deles. Mesmo que suas declarações digam que eles são frutos do sistema, e coisas do tipo, não se iluda: eles são sádicos, perversos, maus de verdade, o que fica ainda mais claro neste filme, sem máscaras (humanas, pelo menos - piada interna).

"Olá, América, vocês sentiram a minha falta?" - Otis Firefly

"Eu sou só um palhaço dançando para os pecados da humanidade." - Capitão Spaulding



Sid Haig, ator conhecido por muitos filmes de terror e, inclusive, por sua participação em Kill Bill vol. II, infelizmente faleceu em 21 de setembro deste ano, apenas 5 dias depois da estreia do longa nos Estados Unidos. Capitão Spaulding, sentiremos sua falta. Porém, o novo trio infernal continua deixando seu rastro de sangue e perversão e, dessa vez, não apenas nos Estados Unidos, mas no México também. Com uma piada interna que vai agradar especialmente a fãs desse estilo de filme (algo terror-trash-assassinatos-em-massa) que vem com a marca do diretor mesmo que, como já comentando acima, mais "amenizado", digamos assim. 


Se com aquele final de Rejeitados pelo Diabo, tão lindo e triste e agonizante (bem, do meu ponto de vista, ao menos), não esperávamos uma continuação, agora que ela nos foi dada, só nos resta torcer por um quarto filme do trio infernal. E que este não venha com uma espera de mais de uma década, como foi o caso. 

Um filme brutal, caótico, sanguinolento e, sim, divertido, que obviamente não é para as famílas verem com a maior tranquilidade, depois de um jantar, bem, em família. A não ser que sua família também seja, bem, digamos, infernal. 

Nota: 4 máscaras feitas com pele humana

Trailer:
 





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…