Pular para o conteúdo principal

Review: Supernatural 15X02 - Raising Hell


Bem atrasada essa review de Supernatural, porque está uma correria insana essa semana para mim. No domingo fui à Horror Expo, ontem fiquei o dia todo fora, vendo 3 filmes... e o tempo, voa. Em breve, matéria sobre a Horror Expo e crítica de Exterminador do Futuro - Destino Sombrio aqui. 



Mas, na verdade, não há muito a dizer sobre esse segundo episódio da temporada final da série. Tivemos algumas "participações especiais" de uns queridos da série, Rowena roubando a cena em praticamente todas suas interações, um fantasma especialmente desagradável, Jack, o Estripador, mas não houve muitos poucos altos, foi um episódio mais lento, mais para desenvolvimento das situações e meio que para preparação para o episódio que vai ao ar nos Estados Unidos amanhã. 


Em guerra com Deus, que não parece estar lá muito bem - temos ele interagindo com Amara e, convenhamos, o carisma dela supera de longe o dele (ou a fatlta deste) -, os Winchester e seu time seguem lutando para salvar a si mesmos e ao mundo. Não é que não tenha acontecido nada, aconteceu bastante coisa, na verdade, como Cas tentando ter uma conversa séria com Dean, que foge disso, as interações entre Chuck e Amara, Rowena roubando as cenas e suas interações sexy com Ketch são o máximo também, nem Jack o Estripador fica fora disso. Amo que finalmente uma bruxa em Supernatural não só não é "do mal", como se tornou uma das personagens mais queridas e bem desenvolvidas da série. Amara parece estar tendo sua preparação para ser uma personagem bem relevante também, mas obviamente que ela não chega nem aos pés da querida Rowena.

Enfim, espero que o terceiro episódio seja mais intenso, assim como espero não me decepcionar com o final, por favor, que não seja como o de Game of Thrones - Chuck elogiou o final da série! Socorro, né? Esperemos que o "Deus" de Supernatural não inspire os roteiristas, por favor, SPN merece um final pra lá de digno <3

Nota: 3 fantasmas presos no apanhador de almas e meio entalado neste

E fiquem com o sneak peek do próximo episódio


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …