Pular para o conteúdo principal

Review: Supernatural 15X03 - The Rupture (E que ruptura!)

Confesso que demorei a ver esse episódio de Supernatural. Já havia sido alertada de que teríamos algumas despedidas... e, conforme o roteiro foi dando dicas e formando pares... ficou bem claro quem seria uma das pessoas a quem diríamos adeus nesse episódio recheado de emoções, ainda que tristeza tenha sido a maior delas. Mas houve uma outra morte inesperada, a daquele que passou de um assassino que segue ordens a um homem que aprende a discernir o "bem" e o "mal" sem que lhe digam o que fazer. E assim nos despedimos de Ketch, que literalmente perde seu coração (metáforas, significados mais profundos, pode ser... mas foi triste vê-lo ir assim). 

No entanto, a morte mais sofrida, necessária, mas terrivelmente triste mesmo, foi a de Rowena pelas mãos de Sam. As expressões faciais do Jared mostravam a tristeza, a raiva e o desgosto por ter de fazer isso, por ter de tirar a vida de Rowena, mesmo que seja a pedido dela mesma, em uma tentativa de fechar ou "curar" a brecha que "Deus" abriu no chão, deixando um buraco enorme em nossos corações. Rowena, que entrou como vilã e que se estabeleceu na série, ultrapassando, retorcendo e fazendo evoluir o conceito de bruxa dentro da série, uma personagem feminina marcante, mas que não teve uma morte tosca e nem em vão, sua morte foi ainda mais bela, ainda que triste, do que a de Crowley, seu filho, um demônio que deu sua vida para salvar o mundo. E essas são só algumas coisinhas que amo em Supernatural: bem e mal são relativos, mesmo que no começo da série eles quisessem nos (e se) convencer do contrário. 

Que talvez você e Ketch se encontrem no inferno, Diva Ruiva... <3 RIP, se possível
Este foi o auge dessa temporada final, depois de um início sólido, mas sem muitas novidades, e um episódio meio morno em seguida, o terceiro episódio fez com os fãs o que a demônia fez com o Ketch: arrancou nossos corações e ainda pisou em cima.


Apesar do charme de Belphegor (ainda mais "vestindo"  o corpo do nosso querido Jack), e que sempre foi visto como abominação por Castiel, sim, claro, como falei lá na review do primeiro episódio da temporada, este é um dos príncipes do inferno, e seu plano obviamente está voltado para que, no fim das contas, ele seja o novo, bem, deus. Castiel o impede, mas foi aí que Rowena acabou se sacrificando. Não que nunca tenhamos visto sacrifícios em Supernatural, mas tudo isso é muito doloroso, como se nunca houvesse paz para nossos entes queridos, ainda que fictícios. 

Cas partindo, Dean com tristeza e raiva, Sam também triste, e a raiva geral com a situação em que se encontram, mesmo que tendo finalmente posto um fim ao Apocalipse dos Fantasmas, raiva, tristeza e luto pelas perdas são os sentimentos gerais de nossos queridos. A seguir, a promo do próximo episódio, que eles desperdiçaram a chance de passar no Halloween, que irá ao ar apenas no dia 8 de novembro, lá nos Estados Unidos. 




 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …