Pular para o conteúdo principal

Rogéria sr Astolfo Barroso Pinto – Um bem-vindo longa documental biográfico sobre a vida de Rogéria


A morte de Rogéria, uma das grandes figuras da TV brasileira, pegou a todos nós de surpresa.  É bem verdade que a saudade às vezes bate forte, e agora no período em que completamos um ano de sua morte, será possível amenizar o sentimento a partir de hoje nos cinemas, com o lançamento do documentário Rogéria: Senhor Astolfo Barroso Pinto. A produção é da Pagu Filmes e documenta os dias de dor e glória da diva.



Com direção de Pedro Gui, o documentário Rogéria  aborda de uma forma biográfica as duas facetas dessa persona que se fundem em uma só, e que, apesar da dualidade e das divergências entre elas, tal qual uma dupla personalidade, se comunicam e se completam. O longa passa por todos os momentos da vida da transformista, misturando dramatizações de etapas de sua vida com depoimentos de artistas brasileiros.

O documentário volta-se para a história da atriz Rogéria: nascida Astolfo. Desde o começo da carreira maquiando grandes estrelas na extinta TV Rio, que passou a assumir uma vertente artística no teatro rebolado de transformistas como uma figura feminina num cenário nada amistoso de uma época machista e preconceituosa, seguiu sua carreira como cantora, atriz comediante. 

Comentando sobre o episódio de seu acidente automobilístico que a tirou de cena por um longo tempo, um de seus irmãos relembra o quanto aquele live de “Tous Les Femmes” no Estúdio A, tradicional programa da Rede Globo nos anos 1980, foi importante para sua recuperação plena.


Rogéria traz depoimentos de pessoas importantes que conviveram com a atriz, entre elas Nanny People, Betty Faria, Jô Soares e Bibi Ferreira, em que temos a nítida visão de sua imagem imortalizada no meio artístico. Podemos dizer que temos uma diva personificada que agradava a todos os públicos e que rompeu grandes barreiras em sua trajetória, existentes devido à grande discriminação que recaía sobre os artistas transformistas da época, mas que Rogéria soube burlar e na cena se firmar com maestria.

Nota 4/5 com muitas purpurinas

Trailer:

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …