Pular para o conteúdo principal

Shell Open Air: Uma experiência incrível - se perdeu esse ano, ano que vem tem mais!








Neste ano novamente tive a oportunidade de ir ao maior evento de cinema a céu aberto da América Latina, desta vez, a convite do Telecine e do site parceiro para o qual escrevo alguns textos, o Bagulhos Sinistros. Fui desfrutar e sentir as emoções de assistir a um filme favorito ao ar livre. O escolhido foi Dor e Gloria, do aclamado cineasta Pedro Almodóvar, que, apesar de eu já ter visto, contemplá-lo em uma tela gigantesca com milhares de pessoas e com a vista de São Paulo é outro esquema e não tem preço que pague participar de tudo isso (ou melhor, há sim, os ingressos custam em torno de cinquenta reais e alguns deles esgotaram logo na primeira semana de venda).
Com o mote “o Cinema que te leva além”, O Shell Open Air está em seu segundo ano consecutivo em São Paulo e já é mais do que consagrado no Rio de Janeiro. Todos os anos seleciona filmes bem quistos entre o público cinéfilo de um portfólio que vai de filmes de época e grandes clássicos como ET e Grease, e atuais deste ano, como Turma da Mônica - Laços e o grande final da saga de super-heróis Vingadores: Ultimato, todos para serem exibidos na maior tela de cinema do mundo.
São 325 metros quadrados de tela ao ar livre, com projeção digital e sistema de som com 28 caixas Dolby Digital Surround e uma infraestrutura de cadeiras reclináveis de praia super confortáveis à frente da tela. Em uma alta arquibancada (da própria estrutura do Jockey Club) foram montadas poltroninhas acolchoadas para curtir o filme. 


Além dessa magnífica tela, temos a vista panorâmica da cidade de São Paulo, o que deixa tudo muito bonito, inclusive para fotografar. Imagine um pôr do sol (pois os portões abrem às 18h) ou uma lua incrível! Porém, tudo pode acontecer, já que o evento é a céu aberto, deixo a dica de levarem agasalhos, pois quando esfria, ainda mais a noite, o Jockey Club, local onde o evento é montado, tem uma corrente de ar bem forte por situar-se próximo à Marginal do Rio Pinheiros e Cidade Jardim.
Mas não se preocupe! O Shell Open Air é preparado para tudo e, se chover, te entregarão capas de chuva, e se fizer frio, é possível comprar uma coberta por R$35,00. Por esse motivo, não há como devolver os ingressos em caso de mudança de tempo, pois o show tem que continuar, não é mesmo? Tudo isso para transformar clássicos ou lançamentos da sétima arte em uma transmissão inesquecível, proporcionando a maior experiência cinematográfica, em uma espécie de arena criada para receber o público com conforto e múltiplas opções. 
Open Air é o maior evento de Cinema ao ar livre do mundo e, há 16 anos, é realizado no Brasil. Em 2019, mais uma vez, a Shell leva a magia do cinema para novas dimensões. A Super Tela, do tamanho de uma quadra de tênis, é a principal protagonista. Além de tudo isso, em alguns dias, o espetáculo que é este evento conta com duas projeções de filmes, dias em que há um pocket show além da exibição de um filme e também tem stands de comida, ah! Sem contar que a pipoca é por conta do evento, e é uma delícia!
Uma experiência incrível que pude degustar do começo ao fim. Empresas parceiras fizeram stands de suas marcas, com brincadeiras divertidas e distribuição de brindes. No Stand da Shell você podia tirar fotos com uma réplica do Herbie (sim, o fusquinha) e do DeLorean (sim, de De Volta para o Futuro) e postando no Instagram com a hashtag do evento, você imprimia suas fotos na hora, não é demais?



Há uma barraquinha que vende cachorro-quente gourmet e três stands de comida com opções de hambúrguer, fatias de pizza, lanches variados, além de um grande bar que vende diversos tipos de bebida, entre elas refrigerantes, vinhos e cervejas. Os assentos não são demarcados, então, é bom chegar cedo para garantir um bom lugar e também poder participar das brincadeiras de cada stand porque eles fecham cinco minutos antes da exibição do filme e não tem chororô para participar (os brindes são bem legais! Eu ganhei um copo estilizado da Petra de plástico com cordão, aquele estilo “cervejada”)
O telão fica rebaixado até minutos antes da exibição do filme, quando é anunciado que, em 15 minutos, terá início a sessão e que todos se acomodem. A telona, sob um show de luzes e de música, vai subindo aos poucos, até ficar plana. É um verdadeiro espetáculo! A arquibancada tem cadeiras acolchoadas, a versão do Telecine (mais confortável, excelente!). Como o evento pensa em tudo e em todos, tem também as versões de cadeiras mais largas para que cadeirantes, gestantes, idosos e obesos possam se adaptar facilmente e também curtir esse dia. Uma curiosidade interessante é que toda a arena foi montada com aquele piso feito de grama sintética e que foi arquitetado de maneira plana, ou seja, facilidade de acesso total a cadeirantes e pessoas com dificuldade de locomoção. Simplesmente um arraso!

 Texto por: Giovanna Landucci

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …