Pular para o conteúdo principal

Wasp Network, um filme de grandes conflitos políticos, em uma história de grandes conflitos pessoais


Wasp Network : Poster

Baseado na história dos “Cinco Cubanos”, o diretor Olivier Assayas (Personal Shopper e Acima das Nuvens), em Wasp Network, ele retrata esses fatos do ponto de vista desses espiões cubanos infiltrados na Flórida, ao mostrar toda essa operação por um olhar mais humano. O diretor também nos mostra como esse trabalho de espionagem funcionava, para que o público tenha noção de como eram as coisas, e quais eram os métodos que eles usavam para conseguir informações necessárias para obter sucesso em suas missões, mas o foco do diretor não reside na transformação dessa história em um filme de espionagem latino, e sim mostrar a razão e as principais motivações dos personagens para entrar com tudo nessa vida de riscos, e nisso o diretor consegue obter êxito em sua proposta para seu filme.

Wasp Network : Foto Édgar Ramírez
Para que a narrativa não se torne confusa ou cansativa, Assayas opta por dar mais foco para alguns personagens do que outros, e mesmo com essa decisão, nenhum personagem se torna obsoleto ou descartável para a trama, fazendo com que o caminho de um se cruze com o do outro durante a trajetória deles, e afetando suas decisões futuras.

Os diálogos criados pelo roteiro para ajudar na interação e nas decisões sobre participar da revolução e provocar mudanças no governo de Cuba são bem convincentes a ponto de fazer qualquer um se interessar pela proposta de fazer a diferença, utilizando um jogo de palavras quase persuasivas, mas com uma suavidade na fala que deixa as palavras fluírem de forma pacífica e interessantes. Junto com o roteiro, o diretor faz um excelente trabalho de construção de personagens, ao colocá-los em diversas situações distintas, mas com os mesmos fins, transformando-os ao longo de cada passo que eles dão mais para  perto do conflito, e aos poucos fazem os personagens se desdobrarem das camadas criadas sobre eles, revelando os principais interesses de cada um, junto com sua lealdade e seus princípios morais que tornam humanos cada um desses personagens.

Wasp Network : Foto Gael García Bernal, Penélope Cruz

René Gonzalez (Édgar Ramírez), que é o personagem que ganha mais destaque, tem suas intenções por trás de seus atos mostradas, em relação a fazer parte dessa revolução, as quais são as mais patriotas possíveis, e mesmo ele tendo que fazer grandes sacrifícios para ajudar o seu país, ele nunca se rende, mostrando sempre seu orgulho em não trair o seu povo, mesmo em situações extremas.

Wasp Network : Foto Penélope Cruz
Mesmo sendo uma coadjuvante, Penélope Cruz tem uma grande presença na trajetória de René, na qual ela interpreta a esposa dele, mostrando-a como uma mulher forte e batalhadora, tendo que ficar em um país onde tudo é fracionado, e mesmo depois de o marido tê-la abandonado para trazer um futuro melhor para eles, ela se mantém serena, tendo que travar suas próprias batalhas, e mesmo depois de confrontar o marido por suas escolhas, o momento do desabafo dela é bem controlado pela atriz, mostrando a raiva da personagem, mas ao mesmo tempo tendo um certo orgulho pelo marido por ele ter lutado por aquilo em que ele  acredita.

Wasp Network : Foto Édgar Ramírez
O personagem de Wagner Moura é provavelmente o que mais tem camadas, já que ele nunca deixa claro para o espectador suas reais intenções no meio disso tudo, provocando divisões de opiniões do publico sobre sua real lealdade, parecendo que ele faz tudo no impulso na última hora, mas que se mostra um homem que sempre tem um plano a seguir para o bem de si próprio.

O filme tem alguns problemas de edição, e a passagem de tempo quase não fica clara na narrativa, dando a impressão de que tudo ocorreu em um breve período de tempo, sendo que demorou anos para tudo isso se concretizar.

Wasp Network poderia ate dar certo como um longa de espionagem e provavelmente ser mais um entre muitos, mas o diretor vai mais além, transformando-o em um filme de grandes conflitos políticos, em uma história de grandes conflitos pessoais.

NOTA: 9 cubanos infiltrados em Miami.
Trailer:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…