Pular para o conteúdo principal

A Família Addams, uma animação morbidamente fofa e com carinha de Halloween



Assim como falei sobre O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, e Os 3 infernais, A Família Addams também ganhou uma repaginada bem-vinda, em forma de animação. O filme é divertidíssimo, seu humor mórbido é incrível, e mesmo eu tendo inicialmente uma reação negativa quanto ao visual alongado das cabeças dos personagens (e curtir depois como a cabeça da Morticia parece uma caveira estilo Día de los Muertos), só de ver o trailer eu já quis ir ver o filme, e pude assistir à animação em primeira mão a convite do Telecine. 

E a surpresa foi realmente boa. Os detalhes, como o penteado da Wandinha terminando em forca, são incríveis, e boas risadas são garantidas. É uma história de origem, e acabamos vendo a família no passado e hoje em dia, em um rito de passagem de Feioso, que acaba sendo incrível também. Porém, se você for comparar a animação, que é bem legal, com os já clássicos filmes com Angelica Houston, Raul Julia e Cristina Ricci, vai se decepcionar. O filme é mais focado nas crianças, até mesmo com o lance da mensagem estilo "moral da história"  de aceitação do que é diferente, e a vilã bem caricata, típica vilã estilo Era de Prata da Disney, em termos de caracterização de personalidade, não em termos de animação, obviamente, já que a animação segue mais um estilo moderno, como Meu malvado favorito e Minions



Como entretenimento é bom, mas é bem provável que fique mais marcada nas lembranças das crianças do que dos adultos. Um filme bom para curtir, "matar" o tempo e dar boas risadas, o que não deixa de ser uma boa pedida, e que ainda pode colocar lenha na fogueira da nostalgia e levar os fãs dessa família morbidamente incrível a reverem os clássicos dos anos de 1990. Por outro lado, algumas piadas e referências muito provavelmente só serão captadas por fãs desses mesmos filmes. Wandinha rouba a cena praticamente em todas as vezes em que ela aparece, e eu "morri"  de rir quando ela topou ir "matar o tempo"  no shopping porque fazia muito tempo que ela não via uma boa matança.


De modo geral, uma ótima animação para entrada no mundo dos Addams, nada extraordinário, mas nada ruim, e que vale a pena ser vista, mesmo que seja para acalentar sua saudade e fazer com que você volte às origens e revisite todas as versões anteriores desta família clássica. 

Nota: 3 formas de matar o tempo

Trailer:



Uma das famílias mais excêntricas do mundo está de volta aos cinemas, “A Família Addams”. E, para comemorar a estreia do primeiro filme de animação dessa turminha, o Kinoplex preparou um brinde especial: os espectadores que comprarem o combo “Família Addams” (pipoca promocional + refrigerante de 700ml + bala Fini – dentadura ou tubes) levarão pra casa também uma caneca exclusiva do filme.  ;)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …

La Boya, um filme de Fernando Spiner