Pular para o conteúdo principal

Carcereiros, O Filme - Do streaming para as telonas


Existem diversos filmes que retratam como é a vida em um sistema prisional, seja partindo do ponto de vista do Estado ou do crime organizado, porém, o que Carcereiros – O Filme faz é retratar essa realidade do ponto de vista de quem vive nessa linha tênue, os grandes responsáveis por mediar esses dois extremos, sim, Carcereiros – O Filme é bem fiel a sua proposta de relatar a vivência no sistema prisional do ponto de vista dos agentes penitenciários, profissionais responsáveis por dialogarem com o Estado e com o Crime Organizado, e que todos os dias está ali dentro lidando com os dois.

A trama do filme, que aliás, não tem nenhuma relação com a série da plataforma de streaming GloboPlay, apesar de contar com o elenco original da série, é uma história inédita, independente, e, assim como na série, tem como personagem central Adriano (Rodrigo Lombardi). Carcereiro convicto por vocação, graduado em história e averso à violência, Adriano tem que lidar com a insatisfação de sua filha Livia (Giovanna Rispoli) por exercer a profissão, que apesar disso vive uma rotina normal no seu trabalho, até a chegada de Abdel (Kaysar Dadour), um terrorista que precisa passar a noite no Brasil sob a custódia da Polícia Federal.

A tensão no presídio, que já é vivida diariamente por terem detentos de duas facções rivais, aumenta ainda mais com a chegada de Abdel. Adriano, que precisa cotidianamente conter os ânimos das duas facções rivais, agora também terá que acompanhar de perto todos os passos de Abdel, que causa revolta dos presos em razão de ter feito o que fez. O presídio ainda conta com a ala dos presos de “colarinho branco”, ou “os gravatas”, como são chamados no filme, presos que mesmo isolados da sociedade, possuem certas regalias.

Sim, o filme é fiel ao esclarecer um pouco como é a realidade do sistema penitenciário do nosso país, e que mesmo apresentando alguns personagens caricatos, não deixa de ser realista. Na noite em que Abdel fica sob a custódia de Adriano, o presídio é invadido. Os invasores causam a morte de policiais e funcionários do presídio e ainda fazem os presos de reféns, dando a entender que são terroristas que estão atrás de Abdel. porém, com a tensão no presídio aumentando e atingindo seu ápice, os invasores chegam na ala dos “gravatas”, os presos com regalias, e a partir daí a trama, que já tem a tensão lá nas alturas, ganha também um ar de mistério e os espectadores se perguntam quem os invasores vieram buscar, e a partir daí a trama ganha uma reviravolta.

Carcereiros - O Filme, além do protagonista Rodrigo Lombardi, ainda traz no elenco atores como Tony Tornado e Ivan de Almeida, colegas de Rodrigo na função de agentes penitenciários, e Milton Gonçalves, como delegado do presídio. Germano Pereira e Rainner Cadete interpretando os líderes das facções rivais que estão presos, além de Jackson Antunes, Dan Stulbach e Rafael Portugal, e claro, Kaysar Dadour, vivendo seu primeiro papel nas telonas.



Com tensões durante boa parte do filme, personagens cômicos, reviravoltas, Carcereiros - O Filme nos leva para dentro de determinadas circunstâncias que muitas vezes imaginamos, mas que só quem vive de perto sabe como de fato é, pois nos traz a realidade de homens que, mesmo sem estarem presos, passam seus dias atrás das grades.

Texto por: Vagner Matos


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…