Pular para o conteúdo principal

Dora e a Cidade Perdida: diversão teen em live-action




O live-action Dora e a Cidade Perdida é baseado na animação da Nickelodeon de nome Dora Aventureira, dos idos anos 2005, em que Dora tinha apenas 7 anos, e suas aventuras seguiam um mapa. Havia a interatividade com seus espectadores mirins, numa base de animação educativa, que agora ganhou sua versão teen.
Em Dora e a Cidade Perdida, temos como personagem principal Dora (Isabela Merced), que assumiu o papel perfeitamente, uma adolescente que, junto com seu primo Diego (Jeff Wahlserg) e seu melhor amigo, o macaco Botas, vive aventuras surpreendentes pela dinâmica do longa e do roteiro.



Dora é mandada para a Califórnia por seus pais, onde vive seu primo Diego, e lá a jovem decide encarar a cidade grande sendo ela mesma. Contudo, todo mundo estranha aquela menina tão alegre, desenvolta e curiosa em conhecer tudo (afinal ela vem de uma área remota longe da selva de pedra) e enfrenta suas aventuras sempre com otimismo.
Ocorre uma reviravolta que leva Dora, Diego e dois jovens norte-americanos, Sammy e Randy  a serem sequestrados, e acabam chegando na Amazônia peruana, em busca de Parapata, uma espécie de cidade perdida, a cidade do ouro dos incas. 



No início, quando o filme é interativo (seguindo o mote da animação), Dora quebra a quarta parede, perguntado ao espectador se ele consegue pronunciar determinados nomes de objetos que aparecem em cena, com roteiro de Danielle Sanchez-Witzel, Nicholas Stoller e Matthew Robinson, que inclui a cultura  indígena, o que torna interessante a não fantasia nos usos e costumes. No live-action, Dora consegue entreter adultos e, com certeza, o público infantil, o filme tem nuances de aventura e suspense, e agrada a fãs das duas vertentes. Um filme com momentos que lembram as aventuras de Jumanji.
Surpreende e entretém, vale a pena assistir, sem esquecer que se trata de um filme infantil/teen.

Nota: 4 mapas de tesouro perdido


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …