Pular para o conteúdo principal

Espírito perdido: a busca pela divindade através da perseverança de Keana



No mês passado tive o prazer de receber de minha amiga e editora do site, Ana, o livro Espírito perdido, escrito pelo brasileiro P.J. Maia. Sempre fico feliz em receber livros nacionais e ver como nossos autores estão ousando e buscando se aventurar em áreas pouco exploradas e posso dizer que esse livro foi inspirador nesse aspecto.
Com resenhas em diversos sites e até vídeos no YouTube, Espírito perdido já foi devidamente apresentado aos leitores. Como uma amante de fantasia, fico feliz em deixar meu parecer desse livro!



Sinopse:
Keana é uma refugiada criada numa terra estranha, há muito tempo. No reino fugaz de Divagar, deuses e deusas desfrutam de luxo e da vida eterna às custas dos humanos comuns. Não conhecem fome, perigo ou morte, trancafiados num paraíso ensolarado. Se Keana conseguir descobrir sua origem proibida, os deuses talvez precisem fazer sacrifícios para proteger seus privilégios eternos. Mesmo que o sacrifício seja a vida dela.

O livro de P.J. Maia é escrito em tom de fantasia científica. Mesmo se passando em uma era remota, quando deuses ainda habitavam a terra junto aos regulares (humanos pré-históricos), há muita tecnologia por parte das divindades.

Em meio a uma expedição, Estela chega ao acampamento do Capitão Viajante Edmar Milfort com um misterioso bebê em seus braços. Apesar de todo o cuidado para encontrar a lendária cidadela no meio da inexplorada savana, o inimigo acaba encontrando Estela e a expedição bate em retirada. O bebê é deixado aos cuidados do Capitão, que passa por muitas provações para mantê-lo em segurança. Apesar de condições inexplicáveis para a sobrevivência de uma garotinha tão jovem, A mais nova protegida do Capitão Milfort sobrevive ao seu lado e será sua querida filha e a heroína desse livro.

“Esse livro é para aqueles que nunca deixam
De sonhar em ver tudo o que há.
Para meus queridos pais, por sempre
Empurrarem os filhos para o mundo aberto
E por cada recepção afetuosa de volta à casa.”




A partir de certo ponto, a história me prendeu de um modo que foi fácil continuar a leitura. É incrível pensar em nosso planeta nas eras remotas, quando todos os mitos começaram e os humanos explicavam os fenômenos da natureza como divindades. Os raios, a chuva, o frio, a mudança de temperatura, tudo isso dependia de alguma divindade e de seus estados de humor ou amor pela humanidade. A falta de conhecimento das primeiras eras nos aproximava das divindades e do amor por nosso planeta, e esse livro explora como os deuses preservavam suas vidas eternas em uma cidade onde a morte não existia. Essas divindades recebiam seus incríveis poderes de uma pedra azul, um misterioso asteroide que atingira a terra e era a fonte de poder desconhecida dos divinos.

O ponto de partida de nossa história se dá quando Keana, apesar de receber o nome e a familiaridade dos Milfort, não recebe um convite para a Lúmen Academia. Essa escola ensina os divinos a usarem seus poderes sobrenaturais na juventude, onde pouco sabem sobre sua herança que ainda não se manifesta completamente.

Keana sempre soube que era diferente: sua cor de pele, seus cabelos e seus olhos não mentiam para ela. Mas por que ela não teria um direito básico de todos os que viviam na sociedade divina?

Em sua busca pela continuação da herança divina da família Milfort e de sua própria ascensão, Keana começa uma jornada incansável para fugir de seu destino regular e consegue muitos inimigos indo contra o sistema. Ela não sabe ao certo por que é diferente, mas sabe qual é seu objetivo e não se importa com o preço a pagar por suas convicções.

Keana é uma protagonista forte e com uma personalidade incrível. Ela busca o que acha certo mesmo indo contra todas as probabilidades, e isso torna sua jornada emocionante. É muito difícil falar sobre esse livro sem dar nenhum spoiler, mas posso dizer que estou ansiosa para ver o que mais P.J. Maia trará em sua série “finita eternidade” e em como a história dos primórdios da humanidade se desenvolverá!



Indico a leitura para todos os amantes de ficção e logo a Ana virá com um sorteio desse ótimo livro. Se quiserem saber mais sobre o autor e a obra, aqui está uma curta entrevista com P.J. Maia.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …