Pular para o conteúdo principal

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?




Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!

Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.



Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo Mario Kart 8). O jogo foi repaginado de modo que melhor se adequasse aos celulares. Nessa versão, podemos adicionar amigos, completar missões diárias para ganhar estrelas e novos personagens e comprar o passe ouro, que nos ajuda a desbloquear conteúdo exclusivo.


Os itens são mais precisos e funcionam de um modo um pouco diferente do usual em alguns casos. Por exemplo: o bumerangue apenas circula em volta do personagem, não indo para a frente como outros. Devido à limitação de movimentos do celular, é mais fácil acertar itens em adversários e colidir com itens adversários.



A cada temporada há um novo evento no jogo. Atualmente estamos no de Halloween, com carro e paraquedas exclusivos e uma versão da Peach bruxinha! Conforme joga, você consegue pontuação no torneio e sobe de liga, adquirindo rubis, moedas e prêmios pelo bom desempenho.

Pessoalmente adorei ter uma versão desse jogo para celular! Eu amo Mario Kart, é um dos meus jogos favoritos e ter o conforto de jogá-lo deitada na cama com o celular na mão é incrível. Claro que por se tratar de uso em celulares, o jogo tem movimentação limitada e fazer algumas manobras como drifits ou usar turbos para cortar caminho é um pouco mais difícil. Além disso, é bem difícil sair de dentro da pista. Isso é bom em casos como a odiosa Rainbow Road, mas ficou mais difícil usar os turbos para se livrar de curvas ou criar atalhos. E, convenhamos, derrubar os amigos nos buracos da tela era uma grande diversão em todas as versões do jogo.



Mario Kart Tour tem controles bem simples. O clique com o dedo faz o boneco pular. Clicar e arrastar em curvas faz com que ganhe mini-turbos e o clique também aciona as caixas e itens. Infelizmente o jogo não funciona com o celular deitado, o que acaba tirando bastante da imersão de um jogo de corrida. No geral, é complicado e fácil pela falta de mobilidade (é uma frase confusa, mas fácil de entender ao jogar).


Recomendo com muita força para quem é fã e para quem nunca jogou Mario Kart!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Maria do Caritó, do tablado para o cinema, diverte ao mesmo tempo em que faz críticas muito necessárias

No dicionário popular, Caritó é a pequena prateleira no alto da parede, ou nicho nas casas de taipa, onde as mulheres escondem fora do alcance das crianças, o carretel de linha, o pente, o pedaço de fumo, o cachimbo. Vitalina, conforme a popularizou a cantiga, é a solteirona, a moça-velha que se enfeita - bota pó e tira pó -, mas não encontra marido. E assim, a vitalina que ficou no caritó é como quem diz que ficou na prateleira, sem uso, esquecida, guardada intacta.
No gênero comédia romântica e baseado na peça teatral homônima, Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e ambientado no nordeste, e gravado na cidade de Peacatuba, em Minas Gerais, onde a fotografia remete às pequenas cidades do interior, trazendo a poesia e o azul como motes no começo do  longa.



Nessa máxima que segue o enredo de Maria de Caritó, longa protagonizado por Lilian Cabral (Maria), a moça que chega aos seus 50 anos  e ainda virgem, vítima da promessa que seu pai diz ter feito ao santo desconhecido quando ela …