Pular para o conteúdo principal

O Farol (The Lighthouse), novo terror psicológico do diretor de A Bruxa, em 2 de janeiro de 2020 nos cinemas

O Farol : Poster

O gênero do terror está cada vez mais fugindo da fórmula convencional e, mesmo sendo a minoria, o terror psicológico tem ganhado prestígio entre os fãs do gênero, mesmo que ainda boa parte do público não classifique isso como terror, por não ter gore explicito, um maníaco com uma serra elétrica, ou que não assusta provocando medo no espectador, o que não é verdade, já que o terror não se resume a sustos baratos sedentos de sangue, mas também pode provocar desconforto, aflição, intensidade, e até nojo, e O Farol se encaixa perfeitamente nessa descrição.

O Farol : Foto Robert Pattinson, Willem Dafoe

Neste filme, em que o diretor Robert Eggers, diferente de seu filme anterior, A Bruxa, cria um ritmo mais lento, quase monótono, mas que não chega a cair nessa zona entediante, em vez disso, esse ritmo parado consegue ser inquietante devido à forma como o diretor apresenta os elementos que ajudam a criar a tensão do ambiente, através do comportamento dos personagens em um lugar isolado da civilização, da interação entre os dois protagonistas, e dos mistérios surreais que causam estranhamento no público a ponto de se sentir uma leve perturbação, mas que também se mantém na poltrona, com curiosidade sobre o que é mostrado.

O Farol : Foto Robert Pattinson, Willem Dafoe

A fotografia do filme é muito bem planejada, além de filmar em preto e branco, o diretor opta por mostrar o filme numa imagem 4:3, para dar a sensação de que estamos vendo um filme antigo, e mesmo sem coloração, o diretor consegue utilizar uma palheta bem variável de preto e branco, sabendo bem deixar a imagem mais escura ou mais clara, conferindo assim profundidade e textura ao cenário, que junto com o ritmo lento, lembra muito os filmes de Béla Tarr, misturado com o estilo de terror de Edgar Allan Poe.

O Farol : Foto Robert Pattinson, Willem Dafoe
Mesmo com o roteiro criando uma história misteriosa que aos poucos ganha mais intensidade e causa desconfiança entre os personagens, os diálogos são meio fracos e não muito criativos, muitas vezes sendo bem poéticos e metafóricos de forma desnecessária em momentos mais agitados,. O que acaba segurando os diálogos são as atuações, mostrando os atores se empenhando bem ao dizerem cada palavra que ajuda a disfarçar essa falha. Muitas das cenas de loucura intensa são misturadas com uma pegada mais sobrenatural, levando o público a se questionar o que é real ou alucinação, e o terceiro ato só reforça mais essa dúvida, quando o roteiro coloca isso dentro do filme, deixando o espectador mais confuso e desorientado em relação ao real propósito da cena, o que faz o espectador não saber o que esperar para o desfecho dessa história.

A montagem utiliza cortes rápidos com imagens surreais, com um toque de erotismo, e que se conectam com os atos que os personagens estão cometendo, que ajudam a realçar a loucura deles nessas situações, além de causar nojo e repulsa.

O Farol : Foto Willem Dafoe

Willem Dafoe interpreta um velho homem do mar supersticioso com alguns princípios, mas que também se mostra um homem instável e imprevisível, com uma grande obsessão com o farol do qual ele toma conta, o que faz seu aprendiz e o espectador nunca desconfiarem de seus próximos atos e de seus objetivos.

O Farol : Foto Robert Pattinson

Mesmo com a ótima atuação de Dafoe, o grande destaque do filme é a atuação de Robert Pattinson, cujo personagem é muito bem desenvolvido, construindo leves camadas em cima de seus personagens, mostrando-o como um homem eficiente e competente que quer se focar inteiramente em seu cargo de aprendiz de faroleiro, mas que sempre é abusado verbalmente por seu superior, mostrando o personagem sempre mantendo a compostura, mas que também deixa claras em seu olhar a raiva e a possível tendência a se entregar à insanidade, o que acaba piorando devido aos acontecimentos sobrenaturais que começam a perturbá-lo.

Mesmo sendo bem diferente de A Bruxa, Robert Eggers consegue fazer permanecer a sua essência de seu estilo em O Farol, mas que também vai provocar muitas opiniões distintas e controversas entre o público que espera ver um filme de terror que vai fazê-los sair apavorados depois de vê-lo.

NOTA: 8 gaivotas sobre o farol e meia.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

La Boya, um filme de Fernando Spiner

Projeto Gemini traz a nova tecnologia 3D+, apela ao público gamer e proporciona uma intensa imersão

Dirigido pelo Hollywoodiano vencedor do Oscar®, Ang Lee, e produzido pelos renomados produtores Jerry Bruckheimer, David Ellison, Dana Goldberg e Don Granger, o novo filme de Will Smith, “Projeto Gemini” traz a inovadora tecnologia 3D+, High Frame Rate, em que o filme é gravado em 124fps (os filmes normalmente são gravados em 24 fps), o que nos dá uma visão ultra dimensionada de detalhes e uma sensação de total imersão nas cenas do filme.

No longa de ação, Will Smith vive o papel de um misto de agente/assassino, “Henry Brogan” que, ao decidir se aposentar, é surpreendido sendo perseguido por um agente mais novo de seu próprio bureau. No elenco também estão Mary Elizabeth WinsteadClive Owen e Benedict Wong.


Com a temática científica da possibilidade da clonagem humana para fins bélicos, lembra outras abordagens tais como O Soldado Universal e O Exterminador do Futuro.

Em suas cenas de ação, claramente podemos sentir referências a Missão Impossível com algumas pegadas ao bom estilo John …