Pular para o conteúdo principal

A estrada até agora: "Desde quando nós temos o que merecemos?" - Review - Supernatural: Temporada final, até episódio 15x08


"Desde quando nós temos o que merecemos?" é, infelizmente, uma frase que resume a vida dos irmãos Winchester durante essa longa estrada de 15 anos em que eles já perderam pai, mãe, e os perderam de novo, e amigos, e toda e qualquer chance de inocência, obviamente, há muito foi perdida. O post da Cat falando sobre a Esperança me lembrou de uma outra frase de Sandman no inferno, quando ele diz: "O que seria dos habitantes do inferno, se eles não pudessem sonhar com o Paraíso?" Se em Sandman, Morpheus esteve aprisionado, Lúcifer abandonou o Inferno, entre outras coisas, em Supernatural, que bebe, segundo seu próprio criador, das águas oníricas da obra de Neil Gaiman, podemos dizer que o buraco foi bem mais embaixo. 

Chuck, ou Deus, revelou-se um ser egocêntrico e manipulador que só quer se divertir fazendo os Winchester sofrerem. Parece, na verdade, mais uma criancinha mimada que perdeu a chupeta e agora está descontando sua ira em tudo e em todos, criando histórias ruins e clichês, porque, na verdade, ele não é um bom escritor. Afinal, convenhamos, ele gostou mesmo do final de Game of Thrones?

Chegou em um ponto da série, beirando o final da jornada, em que não tem nem mais como sentir empatia por ele. Boas foram as surpresas de Rowena como Grande Rainha do Inferno, Sam dando uma de bruxo e trazendo a querida Eileen de volta, Michael final e literalmente vendo seu "Pai/Deus" como ele realmente é, um ser mesquinho, egocêntrico e, convenhamos, um chato.  

Michael do Mundo Pós-Apocalíptico

"Eu nem sou o único Michael!"

Adam / Michael

 Finalmente vimos Dean cantando decentemente, e tivemos uma referência àquela cena pós-créditos em que ele faz lipsync de The Eye of the Tiger. Para logo depois ver seu antigo amigo se mostrar um monstro, mas um monstro humano, que nem lá no comecinho da série com a família Benders. 

Com o último episódio que foi ao ar se chamando Our Father Who Aren't in Heaven (Pai Nosso que Não Estais no Céu), em que Chuck/Deus convoca Eileen e Sam para o que possivelmente seja uma armadilha, e o título do episódio 15x09, que irá ao ar em 17 de janeiro de 2020, sendo The Trap (A Armadilha), obviamente que dá para ficar com o coração na mão de medo pelos irmãos e seus amores e amigos. Mas vamos torcer para que Cas e Dean e/ou outros prováveis ou improváveis aliados simplesmente peguem é o coração desse "Deus" maldito (se é que ele tem um) e façam picadinho dele para dar para algum cão infernal se alimentar. Porque mesmo hellhounds precisam comer. 
E que assim seja!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…