Pular para o conteúdo principal

Entre facas e segredos: Um whodunnit perfeito do começo ao fim




Com um elenco de peso, Entre facas e segredos obviamente não foge à estrutura desse tipo de filme. Subgênero do suspense, altamente popularizado nas páginas da literatura e inúmeras vezes adaptado para as telinhas ou telonas, o whodunnit ganha novas tintas neste que é um filme que não somente atendeu às minhas expectativas, como as superou. Embora no whodunnit o foco geralmente seja no quebra-cabeças da solução do crime em si, aqui temos algo que vai além.

No maior estilo Agatha Christie, mas ainda brincando com clichês do gênero, em que temos o detetive Benoit Blanc (interpretado por ninguém menos do que Daniel Craig, nosso mais recente 007), que chega até mesmo a chamar aquela que ele "usa"  como assistente de Watson. 



Sem entregar nenhum ponto ou reviravolta na trama, basta dizer que um famoso escritor (Harlan Thrombe) de... adivinhem? Romances desse subgênero... aparece morto e, junto com os policiais, surge Benoit Blanc, contratado por alguém que só será revelado perto do final do filme, para investigar a morte que não parece ter sido suicídio. 

O filme diverte, entretém e ainda joga na cara da sociedade questões como meritocracia, xenofobia, tudo muito bem colocado, sem parecer nada forçado. O diretor Rian Craig Johnson, ele mesmo, do divisor de opiniões Star Wars: Os últimos Jedi (mas, convenhamos, todos os filmes de Star Wars geraram discórdias, inclusive uns que hoje são queridinhos dos fãs, isso mesmo, bem antes do nascimento da internet), conduz a trama, o plot, os subplots, tudo, com mestria, e a direção de arte, fotografia e atores não fica nem um pouco atrás. Já vi alguns desses atores e dessas atrizes maravilhosos desperdiçados em outros filmes (sim, Hereditário, estou falando com você). 


Mas a alma mesmo do filme, aquela que pareceria apenas "assistente"  de B. Blanc, é Marta Cabrera, a enfermeira do falecido, que, na verdade, acaba sendo a personagem principal, se pararmos para analisar o filme bem a fundo. E Ana de Armas (a Joi, de Blade Runner 2049) simplesmente dá um baile de interpretação nesse filme, fazendo com que sua personagem brilhe ainda mais do que as lâmpadas de Thomas Edison em A Batalha das Correntes. Muito girl power sem ostentação de bandeiras, natural, bem encaixado, e, antes que (alguns) homens reclamem, como fizeram com o novo As panteras, tem mulher babaca no filme também. E foi impagável ver nosso Capitão América com aquele cinismo nojento do personagem dele no filme, ô mimadinho babaca, socorro! 



Foi divertido, encantador e não se arrasta nem um pouco em seus 130 minutos em tela. Quando se pensa que, ok, já foi tudo resolvido, para onde a trama vai agora? Tudo muda e novas peças perdidas do quebra-cabeça são encontradas. E pistas são deixadas aqui e ali para nós, espectadores, como em uma bela versão nas telonas de um jogo de Detetive (Clue). Simplesmente um deleite. Amei. 

Nota: 5 manchas de sangue no pé esquerdo





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…