Pular para o conteúdo principal

O castelo animado - a maldição de Sophie é uma importante mensagem sobre amor próprio





Desde suas animações mais antigas, como Meu vizinho Totoro, O serviço de entregas de Kiki e O túmulo dos vagalumes, o estúdio Ghibli deixou de precisar de apresentações. Suas animações sempre trazem protagonistas fortes que lutam contra seus próprios demônios enquanto nos ensinam a vencer nossos próprios. Hoje, quero falar de uma especialmente importante para mim: Howl no ugoku shiro”, ou, em português brasileiro, O castelo animado.



Esse filme traz como protagonista a jovem chapeleira Sophie, que, como irmã mais velha e sem grandes expectativas, decide cuidar da monótona chapelaria deixada pelo pai enquanto a irmã trabalha em um café da cidade (chamando a atenção de diversos homens por sua beleza), e a mãe faz viagens internacionais com seu novo marido. Sophie claramente se sente inferior a sua mãe e irmã, tanto em intelecto quanto em beleza, e isso faz com que deseje uma vida apagada, sem jamais estar sob holofotes.



Sua história muda quando, ao ser parada e assediada por dois guardas, um belo jovem loiro de olhos verdes e um sorriso encantador finge estar em sua companhia para ajudá-la. O que ela não sabia é que isso era um disfarce para o próprio rapaz, que estava despistando espíritos invocados por uma poderosa bruxa. Os dois conseguem fugir e o jovem deixa Sophie em segurança no café onde sua irmã trabalhava. É claro que ela ouviu boatos sobre o belo mago Howl, que roubava o coração de jovens bonitas e os devorava, mas não havia por que acreditar que aquele era Howl e que ela teria esse destino, afinal, Sophie jamais seria bonita.



Ao voltar para sua chapelaria, Sophie é visitada pela temível Bruxa das terras abandonadas. Por ciúme, a bruxa lança um poderoso feitiço em Sophie, sobre o qual ela não pode contar a ninguém, dizendo que aquele é um recado para Howl. Ao se olhar no espelho, Sophie percebe que se tornou uma velha e nada pode fazer a respeito, além de deixar para trás tudo o que conhece e buscar um novo começo.

O mais curioso sobre tudo isso é como Sophie se conforma rapidamente com sua nova condição. Em um primeiro momento, parece que a velhice a deixa mais forte e confiante, pois assim ela não precisa se preocupar com as coisas que sempre a atormentaram, como sua falta de beleza (o que não é verdade e faz parte apenas de sua baixa autoestima) e talento. Tendo a velhice ao seu lado, Sophie tem a oportunidade de se deixar ser amada e cuidar das pessoas que se tornaram sua família, como Howl, Calcifer e Markl. Mesmo que sua ideia inicial tenha sido o isolamento e, graças à misteriosa ajuda de um espantalho, tenha encontrado e começado a viver como serva de Howl, pareceu reconfortante para Sophie poder assumir essa forma para se mostrar ao mundo sem os medos nem as inseguranças que a seguiam antes.



Isso me lembra uma frase sobre recomeços. Diversas vezes imaginamos que, se tivéssemos a chance de fugir, recomeçar em um lugar onde ninguém nos conheça e tudo seja novo, seríamos capazes de assumir uma nova personalidade e derrotar nossos demônios. A frase que discorda disso diz que “não importa para onde vamos, sempre teremos de nos levar conosco”. Não existe um modo de fugir de quem somos ou de nossos medos, mas Sophie encontra essa oportunidade inicial e, no decorrer da história, percebe que suas inseguranças ainda estão lá. Conforme sua confiança retorna, ela começa a se tornar mais jovem, mas, ao se depreciar e abraçar a velhice como sua aliada, ela se torna ainda mais velha.

Por outro lado, Howl é um jovem mimado, que não aceita que as coisas sejam diferentes do que deseja e prefere fugir e se esconder do que ter o trabalho de provar seu ponto. Isso muda conforme seu relacionamento com Sophie avança e ele percebe que a ama. Ele sabe que Sophie é uma peça-chave em sua história e a deixa livre para fazer suas escolhas. Apesar de seu imenso poder, Howl aceita Sophie como a heroína que é e espera ansiosamente que ela descubra sua própria força e quebre não apenas a maldição dela, como também a dele e de Calcifer.

"Por favor, Howl. Eu sei que posso te ajudar. Mesmo que eu não seja bonita e a única coisa que eu faça direito seja limpar.
Sophie! Sophie, você é linda!"

Confiança, amor próprio e cuidado são difíceis de colocar em prática, mas são os sentimentos que tornam o amor entre Howl e Sophie e o fim da guerra possíveis. Mesmo que Sophie não se veja com importância, confiar no sentimento de Howl e de todos que a amam é o grande ponto de aprender a lidar com seus demônios e quebrar a maldição. É claro que sempre ouvimos sobre amar a nós mesmos, sobre aprender a lidar com nossos defeitos e nos cuidar, mas não é possível fazer isso sozinhos. Todos precisamos de apoio e de pessoas que nos deixem livres para conhecer nossas identidades e nos libertar de prisões que nós mesmos criamos, pois, muitas vezes, não existem.

Não há nada de errado em recomeçar. Não há nada de errado em buscar novos ares. Mas é errado fugir de quem somos, do que aprendemos e de quem nos ama. Sempre será difícil lidar com nossos sentimentos e nossa visão sobre quem somos, ainda mais quando nos depreciamos tanto, mas apenas abraçando nossos defeitos é que podemos corrigi-los, aceitando quem somos e nos oferecendo a oportunidade de mudança.



Citando Bukowski:
“Ninguém pode te salvar
Além de você mesmo,
E você merece ser salvo.
Não é uma guerra fácil de vencer
Mas se vale a pena vencer algo
Com certeza é isso.”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…