Pular para o conteúdo principal

Smite: minhas primeiras impressões sobre a guerra dos deuses


          

           Não só de League of legends vivem os jogadores online. Há muitos jogos interessantes de battle arena espalhados pelas mais diversas plataformas. Hoje eu vou falar desse jogo incrível da Hi-Rez que é “SMITE”, o jogo dos deuses.
            Smite foi lançado em 2014 e ficou consideravelmente famoso, mesmo com tantos outros jogos do mesmo gênero. Diferente do League, em quevocê joga com a visão de cima do mapa, Smite é jogado em terceira pessoa. Também diferente de outros MOBAs, ele é jogado com os botões WASD e não com cliques destruidores no mouse.
            O mais interessante em Smite é como personificam deuses dos quais já ouvimos falar em aulas de história ou filmes. Cada deus tem sua habilidade e personalidade únicas, e fazer parte de um panteão não define a maneira como agem. Loki é um assassino habilidoso, quando menos esperar, ele estará do seu lado e vai te executar tão rápido que você não vai entender o que aconteceu. Hel é dividida em duas personalidades, a healer e suporte, que é sua face branca, e a face da morte, uma poderosa feiticeira negra. Athena possui uma habilidade global que protegerá o aliado do qual desejar se aproximar. Izanami tem uma aparência assustadora, mas é rápida e acerta o inimigo com golpes poderosos e mortais.
Nox, mãe de Nêmesis e Thanatos
            A mais nova heroína lançada foi Perséfone, que cria um jardim mortífero com suas habilidades, aprisionando e drenando a energia vital dos deuses que cruzam seu caminho. Habilidades justas para a mulher que foi obrigada a se casar com o deus do submundo, sem poder voltar à superfície.
Perséfone
            Apesar de toda essa interação e temática incrivelmente bem pensada pela Hi-Rez, há algumas coisas que fazem com que Smite não seja o maior MOBA em número de jogadores. O jogo possui ótimos gráficos e é divertido nas missões, modos de jogo e temática, assim como as skins lançadas para personagens, que são extremamente bem feitas e algumas mudam as bordas de invocador e aspectos do cenário são atualizados em eventos. Mesmo que os gráficos sejam muito bonitos e que o jogo em terceira pessoa dê mais percepção e proporcione mais imersão, esse tipo de jogabilidade também atrapalha na hora de rotacionar, lançar habilidades específicas e procurar inimigos e assassinos que entram na linha de trás. A ideia é muito legal, mas prejudica a jogabilidade de um MOBA, que costuma ser mais dinâmico e trabalhado em objetivos e rotações. Além disso, como jogadora de League, senti que o jogo era um pouco travado. Mesmo já havendo jogado MOBAs antes, precisei aprender do zero e fui uma negação nas primeiras partidas.


O jogo possui diferentes modos de batalha, são elas:
Conquista: o popular 5v5. Você joga em cinco rotas diferentes: suporte, atirador, mago, tanker e selva (pelo que percebi, a maior parte dos junglers no smite são assassinos).
Arena: um 5v5 em que ocorrem batalhas livres em vez de em rotas. Cada time começa com 500 pontos e precisa reduzir o inimigo a 0 matando heróis, minions e levando minions aliados ao portal.
Justa: o modo 3v3 de Smite, em que há apenas uma rota, mas é jogado como conquista. Também pode ser 1v1.
Assalto: parecido com o modo ARAM (campeões aleatórios em apenas uma rota), os deuses lutam entre si sem maiores objetivos.
Cerco: uma versão mais rápida de Conquista. Há apenas duas rotas com um minion especial que inflige dano extra às estruturas.
Partida do dia: partidas especiais em rotações diárias. É jogada em diversos mapas com mudanças de regras aleatórias.


No geral, Smite tem muito mais pontos positivos do que negativos. O jogo é disponibilizado gratuitamente na Steam, mas possui um pack lendário que dá direito a todos os deuses (de outro modo, você precisa conseguir pontos para desbloquear novos deuses). Um ponto negativo é que os jogadores do servidor brasileiro são tóxicos como os de League, mas jogando no North America, o jogo é incrível e todos são muito prestativos.
Outro fato que fez Smite ganhar meu coração foi que finalmente teremos uma divindade conhecida em um jogo global e recebendo os créditos que merece! Iemanjá será a mais nova heroína de Smite e será lançada em breve. Que tal uma partida com os amigos para descobrir esse MOBA diferenciado com personagens incríveis?

Iemanjá

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Midsommar - O mal não espera a noite tem um quê de dèjá vu com pontas de originalidade, mas peca por ser longo

Com influências de Corra!, da série Hannibal (principalmente perto do final do longa), com um quê de clima de Anticristo, sem deixar de lado A chave mestra, Colheita Maldita (filme inspirado na obra homônima de Stephen King), O homem de palha, e, como me disse a Ana, que é megafã de Supernatural, inclusive um episódio da série que sacrificava “estrangeiros”  em prol do “bem” da cidade de Burkitsville, no décimo-primeiro episódio da primeira temporada da série, tudo isso também é bem sentido em Midsommar – O mal não espera a noite. Com todas essas referências, senão inspirações, dá para imaginar o desconforto que o filme passa.


Com 147 minutos (171 na versão do diretor), ser longo é um problema no filme. As partes boas são realmente boas e chocantes, o culto e o que parece haver de muito sinistro por trás deles é bem estabelecido, mas os personagens, especialmente os secundários, não são muito aprofundados e, quando começam a “desaparecer”, a tendência é que o telespectador não ligue m…

O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio, uma bela repaginada em uma franquia querida

Neste ano vimos o retorno de várias franquias queridas (bem, ao menos queridas para os fãs delas, claro) muitos anos depois do último filme delas, como Rambo, Zumbilândia e Os 3 Infernais, mesmo depois daquele final épico. Então temos agora O Exterminador do Futuro - Destino Sombrio. Porém, enquanto  os outros são continuações diretas, mesmo que muitos anos depois, do último filme lançado, este novo longa  de O Exterminador do Futuro é uma sequência direta de O Exterminador do Futuro 2 - O julgamento final, e veio para provar um de vários fatos que fazem dessa franquia um sucesso: a presença de Linda Hamilton. 
Repaginando a história, o filme já começa com cenas digitalmente refeitas para conectar o segundo da franquia a este. E é simplesmente incrível nessa reconstrução, pois a gente fica se perguntando se eram cenas que não foram para o filme de 1991 afinal, mas com o avanço da tecnologia (ai, ai, ai, rs), não notamos isso até que alguém nos conte a real. 

E temos um trio girl powe…

Mario Kart Tour: o que esperar do clássico para mobile?

Com certeza os amantes de Nintendo já souberam da novidade para celular! A Nintendo, diferente de outras desenvolvedoras, muito dificilmente libera um de seus jogos para outra plataforma. Mas como uma boa mãe sempre olha por seus filhos, ela nos deu esse pequeno presente que é o Mario Kart tour!
Em Mario Kart, Mario e seus amigos disputam emocionantes corridas de Kart em paisagens inspiradas em cenários clássicos da franquia. A versão original possuía apenas karts, mas agora temos também motocicletas e algumas telas necessitam de paraquedas para maior interação. Não é apenas um jogo de corrida, mas intensamente competitivo, com caixas surpresa espalhadas pela tela que te dão itens exclusivos para ganhar vantagem, derrubar os inimigos e destruir amizades. Cada circuito possui quatro telas e a pontuação é somada ao longo delas.


Essa versão desse clássico da Nintendo é um tour pelas telas mais queridas e famosas das outras versões (principalmente os clássicos, como Mario Kart 64 e o novo M…